Internacional Quase 40% dos católicos avaliam deixar a igreja após casos de abuso

Quase 40% dos católicos avaliam deixar a igreja após casos de abuso

Pesquisa do Gallup aponta para o crescimento de 15 pontos percentuais na quantidade de fiéis que passaram a questionar a permanência na igreja

católicos

Menos assíduos questionam mais abandono a igreja

Menos assíduos questionam mais abandono a igreja

Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress - 03.12.2018

Mais de um terço dos católicos moradores dos Estados Unidos (37%) consideram abandonar a igreja após a série de escândalos de abusos sexuais relatados por padres, de acordo com um estudo feito pelo instituto de pesquisa norte-americano Gallup.

O resultado atual é 15 pontos percentuais superior ao registrado em 2002, quando as notícias do abuso levavam 22% dos fiéis a questionar a permanência na igreja.

A pesquisa surge após a condenação do cardeal australiano George Pell, que chegou a ser o terceiro mais importante da hierarquia do Vaticano. Ele foi condenado na última terça-feira (12) a seis anos de prisão por cinco crimes de abuso sexual contra dois menores, cometidos há mais de 20 anos.

O analista do instituto de pesquisa, Jeffrey M. Jones, afirma que a condenação do cardeal tem afetado mais os sentimentos dos católicos norte-americanos do que a descoberta do jornal The Boston Globe, que revelou, em 2002, o abuso generalizado de integrantes da igreja católica na região de Massachusetts. O caso é tema central do filme Spotlight: Segredos Revelados, vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2016.

O levantamento aponta ainda que os católicos menos assíduos eram os mais propensos a reconsiderar sua afiliação à igreja (46%). Dos católicos que comparecem mensalmente às missas, 37% afirmam que questionaram se deveriam seguir na doutrina.

No geral, 62% dos católicos pesquisados em 2019 disseram que não questionaram seu compromisso. Na avaliação de Jones, deve ser notado que só porque alguém questiona se deve permanecer na igreja não significa que ela decidirá abandoná-la.

"Muitos católicos podem considerar deixar a igreja, mas acabam decidindo não fazer isso. Eles também podem não ter intenção de ir embora, mas simplesmente responder a essa pergunta como uma forma de expressar sua frustração com o modo como a igreja lidou com o problema", avalia Jones.

A pesquisa aponta ainda que mais de 40% dos católicos norte-americanos entrevistados disseram ter "muita fé" no Papa Francisco e nos padres de sua igreja. Ao mesmo tempo, apenas 20% disseram ter a mesma quantidade de fé em bispos dos EUA e outros líderes católicos nos EUA e padres católicos no país.

O estudo da Gallup foi realizado a partir de entrevistas com 581 católicos norte-americanos entre os dias 21 e 27 de janeiro e 12 a 28 de fevereiro, época em que o papa convocou líderes de igrejas de todo o mundo para uma cúpula de quatro dias sobre abuso sexual.