Novo Coronavírus

Internacional Reino Unido adia próxima fase de saída gradual da quarentena

Reino Unido adia próxima fase de saída gradual da quarentena

Nova etapa de flexibilização só começará em 15 de agosto, após detecção de novo surto de coronavírus; uso de máscaras será ampliado

  • Internacional | Da EFE

Andy Rain - EFE/EPA 31.06.2020

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, adiou a próxima fase de seu plano de saída gradual da quarentena na Inglaterra, que incluiu a reabertura de cassinos, espaços de patinação e pequenas recepções de casamento, pelo menos até 15 de agosto, após um surto do novo coronavírus ter sido detectado.

Em entrevista coletiva, na qual teve a companhia do assessor para assuntos de saúde Chris Whitty, o chefe de governo disse que a opção de ir ao local de trabalho se as condições de segurança forem atendidas e permitir que pessoas vulneráveis saiam às ruas pela primeira vez se seu médico o aconselhar, permanece em vigor.

Johnson declarou que é necessário agir agora, depois que o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS) detectou um pico na covid-19, com uma prevalência de 1 contágio por 1,5 mil pessoas, sem contar o que acontece em hospitais e casas de repouso.

É uma "luz de alerta" que, segundo Johnson, o governo não pode ignorar. Ele destacou que o vírus está avançando rapidamente na Ásia e na América Latina e também alguns países europeus estão tendo dificuldade para controlar a chamada segunda onda de contágio.

Novas medidas

O chefe de governo afirmou que, além de pausar a reabertura de lugares considerados de "alto risco", a partir de 8 de agosto o uso de máscaras se tornará obrigatório em áreas fechadas como museus, cinemas e locais de culto, bem como em lojas, onde já é obrigatório.

Em declarações à rede de televisão BBC, o secretário de estado da Saúde, Matt Hancock, defendeu as medidas, dizendo que, de acordo com os dados de rastreamento da infecção, a maior parte da transmissão do SARS-CoV-2, que é mais ativa naquela parte do Reino Unido, ocorre em visitas a parentes e amigos, levando-o de um lar a outro.

A diretriz significa que as pessoas em cidades como Manchester e sua região metropolitana e os condados de East Lancashire e parte de West Yorkshire não poderão se encontrar nas casas ou jardins uns dos outros, mas cada família poderá ir ao pub ou a restaurantes desde que não se misturem com outro grupo.

Hancock reconheceu que a mudança veio como um golpe para a comunidade muçulmana, que se preparava para celebrar a Festa do Sacrifício (Eid al-Adha) em família neste fim de semana.

No Reino Unido, as mortes por covid-19 subiram para 45.999 nesta quinta-feira, com mais 38 óbitos confirmados. Também foram notificados 846 novos casos, o maior número diário em um mês.

Últimas