Coronavírus

Internacional Reino Unido aprova uso da vacina da Moderna para adolescentes

Reino Unido aprova uso da vacina da Moderna para adolescentes

Especialistas estudam a possibilidade de imunizar menores de 12 anos, mas ainda aguardam mais dados para tomar uma decisão

Agência EFE
Ingleses entre 16 e 17 anos começarão a receber o imunizante a partir do próximo dia 23

Ingleses entre 16 e 17 anos começarão a receber o imunizante a partir do próximo dia 23

Joseph Prezioso/AFP

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido (MHRA, na sigla em inglês) informou nesta terça-feira (17) que aprovou a utilização da vacina contra a covid-19 fabricada pela Moderna em adolescentes entre 12 e 17 anos de idade.

Leia também: Covid-19: O que se sabe sobre a vacina da Moderna

O regulador britânico já havia dado autorização para a inoculação com Pfizer/BioNTech em menores de idade, embora o governo do Reino Unido não tenha começado a oferecer a vacina para menores de 16 anos sem fatores de risco especiais.

Na Inglaterra, os adolescentes de 16 e 17 anos começarão a ser vacinados a partir do próximo dia 23, antes do início do próximo ano letivo.

Um porta-voz do Ministério da Saúde "saudou" a aprovação do regulador à vacina Moderna e sublinhou que, a partir de agora, será orientada pelas recomendações do grupo de especialistas que aconselha o governo sobre vacinar menores a partir dos 12 anos de idade.

Leia também: Eficácia de vacina da Moderna é de 93% após seis meses, diz empresa

O Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI, na sigla em inglês), que faz recomendações ao governo, afirmou que mais dados são necessários para tomar uma decisão a esse respeito.

O Reino Unido registrou nos últimos dias cerca de 30 mil casos de covid-19 a cada 24 horas, enquanto 5.894 pessoas permanecem hospitalizadas em todo o país, 882 delas com ventilação mecânica assistida.

No dia 19 de julho, a Inglaterra suspendeu todas as restrições para prevenir infecções, incluindo o uso da máscara em ambientes fechados, enquanto Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte mantêm algumas dessas limitações.

Últimas