Reino Unido contrata 21 mil para rastrear contágios por coronavírus

País vai utilizar milhares de funcionários e um app de celular para rastrear pessoas infectadas pelo coronavírus e descobrir com quem tiveram contato

Reino Unido busca alternativas para poder reabrir sua economia

Reino Unido busca alternativas para poder reabrir sua economia

Facundo Arrizabalaga / EFE - 18.5.2020'

O Reino Unido anunciou nesta segunda-feira (18) que contratou 21 mil pessoas para trabalhar no programa de detecção e rastreamento de redes de infecção pelo novo coronavírus que o governo lançará nas próximas semanas.

Leia também: Espanha, Itália e Reino Unido tem queda nas mortes por covid-19

O secretário de Estado da Saúde, Matt Hancock, declarou que o número de trabalhadores será superior aos 18 mil inicialmente previstos pelo governo para o projeto.

A equipe contará com 7,5 mil profissionais da área sanitária, que darão suporte clínico aos milhares de telefonistas que entrarão em contato com pessoas que tenham desenvolvido sintomas de Covid-19 ou que tenham estado em contato com pessoas infectadas. Todos eles serão solicitados a ficar isolados em suas casas e receberão conselhos de saúde.

Detecção por celular

O sistema será baseado em um aplicativo de telefonia móvel que já começou os testes na Ilha de Wight, no sul da Inglaterra. O software detectará a proximidade com outros dispositivos com o aplicativo instalado e alertará os usuários que tenham tido contato físico com pessoas que mais tarde possam vir a desenvolver sintomas.

O secretário de Estado de Relações Exteriores, Dominic Raab, afirmou hoje que o aplicativo estará operacional em todo o país na próxima semana, embora o governo esperasse inicialmente lançá-lo em meados de maio.

O programa de rastreamento de contágio levantou polêmica nos últimos dias, depois que o secretário de Estado da Irlanda do Norte, Brandon Lewis, disse que apenas 1,5 mil pessoas haviam sido contratadas.

O secretário de Estado do Gabinete, Michael Gove, elevou no domingo esse número para 17 mil, 1.000 abaixo da meta do Governo, enquanto Hancock hoje finalmente o subiu para 21 mil trabalhadores já empregados.