Reino Unido

Internacional Reino Unido não pediu ajuda para britânicos condenados à morte por lutarem com a Ucrânia, diz Rússia

Reino Unido não pediu ajuda para britânicos condenados à morte por lutarem com a Ucrânia, diz Rússia

Aiden Aslin e Shaun Pinner e o marroquino Brahim Saadun foram acusados por separatistas pró-Rússia de agir como mercenários

AFP

Resumindo a Notícia

  • Porta-voz do Kremlin garantiu que a parte russa "estaria disposta a ouvir"
  • Londres também terá que se dirigir às autoridades separatistas responsáveis pela condenação
  • Ministra britânica das Relações Exteriores disse que o veredito não tem legitimidade
  • Primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse estar "consternado" com a sentença
Britânicos Aiden Aslin, Shaun Pinner e o marroquino Brahim Saadun

Britânicos Aiden Aslin, Shaun Pinner e o marroquino Brahim Saadun

Reuters - 08.06.2022

As autoridades do Reino Unido não pediram à Rússia que interviesse a favor de dois britânicos condenados à morte por separatistas pró-Rússia na Ucrânia e que lutavam com tropas em Kiev, anunciou o Kremlin nesta terça-feira (14).

As autoridades britânicas "não se dirigiram" à Rússia, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, garantindo que a parte russa "estaria disposta a ouvir", embora Londres também tenha de se dirigir às autoridades separatistas responsáveis pela condenação.

Os britânicos Aiden Aslin e Shaun Pinner e o marroquino Brahim Saadun foram condenados à morte na semana passada, acusados pelas autoridades separatistas de Donetsk (leste da Ucrânia) de agir como mercenários.

A ministra britânica das Relações Exteriores, Liz Truss, classificou o veredito de "representação de julgamento, sem legitimidade", enquanto o primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse estar "consternado" com a sentença.

Estudantes ucranianos fazem ensaio de formatura em meio à destruição da guerra

Últimas