Internacional Reino Unido nega permissão para uso de cannabis em garoto epilético

Reino Unido nega permissão para uso de cannabis em garoto epilético

Mãe se reuniu com o ministro do Interior para pedir liberação do óleo de Cannabis. Menino tinha mais de 100 crises antes de tratamento

Oléo de Cannabis

Mãe voltará ao Canadá com filho

Mãe voltará ao Canadá com filho

Peter Nicholls/Reuters - 11.6.2018

A britânica Charlotte Caldwell foi parada no aeroporto ao tentar entrar no Reino Unido com um óleo a base de Cannabis contrabandeado do Canadá. Ela usa o produto para tratar seu filho Billy, 12 anos, que tem uma epilepsia severa.

A substância é proibida no país e foi confiscada pelas autoridades. Pais que têm filhos em condições semelhantes foram protestar e prestar solidariedade à mãe no aeroporto.

Nesta segunda-feira (11), Cadwell passou a tarde reunida com o ministro do Interior, Nick Hurd, solicitando a devolução do óleo. Apesar disso, a permissão para que a mãe utilize o óleo de cannabis no tratamento do garoto foi rejeitada.

Ao Daily Mail, ela disse que o confisco do produto é uma "pena de morte" para o seu filho.

No ano passado, Billy tornou-se o primeiro britânico a fazer tratamento com essa substância, mas no mês passado seu médico disse que o remédio não poderia mais ser receitado.

Segundo a própria mãe afirmou à imprensa britânica, ela estava "arrasada" com a decisão. "Eu prefiro ter meu filho vivo ilegalmente do que legalmente morto", garantiu.

O histórico médico do menino é penoso. Ele tinha cerca de 100 crises epiléticas por dia antes do início do tratamento. Ele foi diagnosticado com a doença aos quatro meses de vida.

Para cuidar de seu filho, Cadwell precisou abandonar seu emprego na área do turismo, se mudar para os Estados Unidos, fazer financiamentos online e empréstimos no banco para arcar com os tratamentos.

Depois disso, mãe e filho foram viver no Canadá. Nos dois países, o medicamento que Billy utiliza é permitido.

Cadwell afirmou que agora voltará para o Canadá, onde pode continuar a medicação do filho, mas ainda fará campanha para que o Reino Unido permita o uso medicinal de produtos derivados da cannabis.