Brexit: Reino Unido fora da União Europeia
Internacional Reino Unido recebe 750 mil pedidos de residência de cidadãos da UE

Reino Unido recebe 750 mil pedidos de residência de cidadãos da UE

Poloneses foram os que mais fizeram solicitações. Programa concede aos europeus o direito a viver no país uma vez que Brexit seja consumado

Brexit

Governo britânico recebeu mais de 750 mil solicitações

Governo britânico recebeu mais de 750 mil solicitações

Henry Nicholls/Reuters - 9.4.2018

O governo britânico recebeu mais de 750 mil solicitações de cidadãos da União Europeia que vivem no Reino Unido para que tenham reconhecido o direito a residir e trabalhar no país após o Brexit, revelou nesta quinta-feira (30) o ministro de Interior, Sajid Javid.

No final de abril, mais de 100 mil solicitações para obter o "status de residente permanente" tinham sido feitas por pessoas da Polônia.

Os poloneses foram os cidadãos europeus que mais apresentaram pedidos no programa oferecido pelo governo britânico para conceder o direito a viver e trabalhar no país uma vez que o Brexit seja consumado.

"Os cidadãos comunitários são nossos amigos, nossos vizinhos e nossos colegas que contribuem muito para este país. Não importa o que aconteça com o Brexit, queremos que fiquem", afirmou o ministro.

Javid disse que o número de solicitações apresentadas até o momento é um dado "imensamente encorajador" e que acredita que esse "sucesso" continuará nos próximos meses.

O programa para obter esse status, necessário para poder continuar vivendo e trabalhando no país após a saída do Reino Unido da União Europeia, está disponível também para cidadãos de Liechtenstein, Noruega e Suíça.

Os requerimentos que avançam obtêm o status de imigração que confirma o direito da pessoa a continuar de forma indefinida no país.

Para tentar, o cidadão deve ter vivido continuamente no Reino Unido durante pelo menos cinco anos. Os que não têm esse tempo, podem obter o status de pré-residente, que posteriormente pode se transformar no de residente.

Esse esquema começou no final de março, e só no primeiro mês, 389 mil solicitações foram abertas.

Depois dos poloneses, os que mais procuraram foram os romenos (89 mil), italianos (70.800) e portugueses (52.400). O menor número de pedidos, por outro lado, é da Eslovênia e de Luxemburgo - com 700 e 200 solicitações, respectivamente.

Até agora, os pedidos partiram de pessoas que moram na Inglaterra, Escócia, País de Gale e Irlanda do Norte, nessa ordem.