Reino Unido

Internacional Reino Unido se desculpa por vazar e-mails de intérpretes afegãos

Reino Unido se desculpa por vazar e-mails de intérpretes afegãos

Erro do Ministério britânico da Defesa causou o vazamento de mais de 250 endereços com fotografia dos profissionais

AFP
Ministério britânico da Defesa vazou mais de 250 e-mails com foto de intérpretes afegãos

Ministério britânico da Defesa vazou mais de 250 e-mails com foto de intérpretes afegãos

Steve Parsons / POOL / AFP

O Ministério britânico da Defesa pediu desculpas pelo vazamento "acidental" dos endereços eletrônicos de mais de 250 intérpretes afegãos que querem ir para o Reino Unido.

Londres reconheceu que deixou para trás centenas de afegãos elegíveis que deveriam ter sido embarcados na retirada coletiva feita às pressas após a volta dos talibãs ao poder.

A rede BBC informou que um e-mail enviado por uma equipe do Ministério da Defesa incluiu, por engano, os endereços de mais de 250 pessoas, deixando-as expostas. Muitos destes e-mails incluíam a fotografia do profissional afegão.

Leia mais: Pela 2ª vez em 24 horas, veículo do Talibã é atacado no Afeganistão

Um intérprete disse à BBC que "este erro pode custar a vida dos intérpretes, sobretudo, daqueles que permanecem no Afeganistão".

Na segunda-feira à noite (20), um porta-voz do Ministério da Defesa disse que "foi aberta uma investigação sobre a violação de informações da equipe de Política de Assistência para a Relocação de Afegãos".

"Pedimos desculpas a todos os afetados por esta violação e estamos trabalhando para garantir que isso não volte a acontecer", declarou o porta-voz.

O erro diz respeito aos afegãos que ainda estão em seu país de origem e permanecem escondidos dos talibãs, informou a BBC, acrescentando que alguns destes profissionais estão em outros países.

A mensagem dizia aos intérpretes que a equipe estava fazendo todo possível para ajudar a realocá-los. Ao mesmo tempo, advertia os destinatários do e-mail para não deixarem seu local atual, se considerarem que não é seguro fazer isso.

O Ministério teria enviado outra mensagem, 30 minutos depois, pedindo-lhes que alterassem seus endereços eletrônicos. A violação de dados irritou o congressista conservador Johnny Mercer, que a classificou como uma "ação de negligência criminosa".

Leia mais: Talibã ocupa sede da Comissão de Direitos Humanos do Afeganistão

Há semanas, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que permaneceram no Afeganistão 311 pessoas elegíveis para o programa britânico de transferência e assistência, como é o caso dos intérpretes.

"Faremos todo possível para garantir que tenham a passagem segura que merecem", disse Johnson ao Parlamento.

Entre britânicos e afegãos, a Grã-Bretanha retirou mais de 15.000 pessoas do Afeganistão deste que o Talibã recuperou o poder em Cabul.

Últimas