Novo Coronavírus

Internacional Reino Unido terá 'passaporte covid' para cinemas e eventos esportivos

Reino Unido terá 'passaporte covid' para cinemas e eventos esportivos

Metade da população adulta do país já recebeu ao menos a primeira dose de vacinas que previnem a infecção pelo coronavírus

  • Internacional | Da EFE

Governo dará certificado em papel a vacinados

Governo dará certificado em papel a vacinados

Andy Rain/EFE/EPA

O governo britânico começará a testar, ainda em abril, o uso de "passaportes covid-19" em cinemas e eventos esportivos como parte da redução gradual de restrições no Reino Unido, onde metade da população adulta já foi vacinada com pelo menos a primeira dose.

Com esses atestados, as pessoas poderão comprovar que foram vacinadas, que têm um teste negativo para covid-19 ou anticorpos após vencer a doença, segundo a imprensa local.

Esses documentos - contra os quais vários deputados se opuseram - podem ajudar no retorno seguro dos torcedores aos jogos de futebol, na celebração de conferências ou na abertura de boates sem a necessidade de impor distanciamento social.

Esses "passaportes" serão testados, entre abril e meados de maio, em eventos como a semifinal e a final da Copa da Inglaterra, um campeonato de bilhar que acontecerá em Sheffield, no norte da Inglaterra, e nos teatros.

A rede da BBC informa neste domingo que o sistema de saúde britânico (NHS) trabalha em um sistema que permite às pessoas demonstrar sua situação de saúde em relação à covid-19 por meio de um requerimento ou certificado em papel.

O governo, de acordo com a emissora, também consulta especialistas em ética para abrir exceções a esse documento no caso de pessoas que não podem receber a vacina.

No entanto, o governo britânico não quer que esse certificado seja usado para entrar em lojas que vendem produtos não essenciais, que reabrirão em 12 de abril, ou em transporte público.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, espera divulgar detalhes sobre o roteiro de redução da escalada nesta segunda-feira (5), especificamente o plano para autorizar viagens internacionais, já que atualmente está proibido viajar para o exterior de férias.

Segundo a mídia, as viagens ao exterior estarão sujeitas a um sistema de "semáforos", em que cada país será listado em vermelho, amarelo ou verde, em função do risco de contágio e da situação das vacinas nesses destinos.

Pessoas que viajam para países em "verde" não terão que entrar em quarentena ao retornar ao Reino Unido, mas no caso de um território em "amarelo", enquanto aqueles que já estiveram em um destino em "vermelho" terão que cumprir um período de isolamento de 10 dias em hotéis designados pelo governo.

O executivo proibiu a entrada de viajantes de países - incluindo América do Sul e África do Sul -, incluídos em uma lista "vermelha", por medo da entrada de variantes brasileiras e sul-africanas.

De acordo com os últimos dados oficiais, no sábado (3), 10 mortes por covid-19 foram relatadas no Reino Unido e 3.423 novas infecções, enquanto mais de 31 milhões de pessoas receberam a primeira dose de uma vacina e mais de 5 milhões as duas doses da preparação .

Últimas