Internacional Remington, a mais antiga fabricante de armas nos EUA, pede concordata

Remington, a mais antiga fabricante de armas nos EUA, pede concordata

O pedido ocorreu após a tragédia na escola Marjory Stoneman Douglas, no último dia 14 de fevereiro, em Parkland, Flórida

Remington, armas, concordata, EUA

Arma da Remington já foi utilizada em ataque nos EUA

Arma da Remington já foi utilizada em ataque nos EUA

Joshua Lott/Reuters/19-03-2013

A Remington Outdoor, mais antigo fabricante de armas dos Estados Unidos pediu concordata, uma proteção contra falência. O pedido ocorreu após a tragédia na escola Marjory Stoneman Douglas, no último dia 14 de fevereiro, em Parkland, Flórida, quando um atirador entrou no local e deixou pelo menos 17 mortos.

A empresa, assim como outros fabricantes, já vinha tendo uma forte queda nas vendas no ano passado, quando uma série de grandes empresas iniciou um processo de restrição às vendas e compras de armas de fogo.

O pedido foi feito com base no capítulo 11 da lei de falências americana, legislação que indica uma intenção de reestruturação da companhia, sob a supervisão da Justiça. Ela pode ser requerida também por um credor, o que não foi o caso.

Estudantes protestam por maior controle de armas nos EUA

O protesto que começou com alunos de escolas públicas dos EUA e se espalhou por 800 cidades

Já no mês passado, a Remington fez um acordo de transferência de controle para os credores e informou que para tanto iria reduzir sua dívida de 950 milhões de dólares, deixando o patrimônio para os credores

Fontes da agência Reuters afirmam que entre os credores estão a Franklin Templeton Investments e a JPMorgan Asset Management. A questão é que o acordo foi feito antes do ataque à escola de Parkland, o que prejudicou ainda mais a empresa.

Em outro ataque, este na escola primária de Sandy Hook, em 2012, Newtown, Connecticut, a empresa já havia sofrido prejuízos. Na ocasião, um dos rifles utilizados pelo jovem Adam Lanza, que matou 20 crianças e oito adultos, era da Remington.

A empresa de private equity (ativo privado, um tipo de fundo de investimento) que controla a Remington, a Cerberus Capital Management, tomou providências para buscar um comprador para a empresa, sem, no entanto, ter obtido êxito.