Internacional Responsável por teleférico que caiu na Itália admite que desativou trava

Responsável por teleférico que caiu na Itália admite que desativou trava

Gabriele Tadini está preso desde quarta-feira (26) por conta do acidente que deixou 14 pessoas mortas no norte do país

Chefe de operações está preso desde quarta-feira (26)

Chefe de operações está preso desde quarta-feira (26)

EFE/EPA/ITALIAN FIRE AND RESCUE SERVICE

O chefe de operações do teleférico que caiu no norte da Itália no último dia 23 de maio, matando 14 pessoas, reconheceu nesta sexta-feira (28) que desativou o sistema de trava de emergência para resolver uma anomalia, mas não pensou que um cabo pudesse se partir e causar um acidente.

A informação foi confirmada nesta sexta-feira (28) por seu advogado, Marcello Perillo, que explicou em declarações à imprensa italiana que Gabriele Tadini não estava consciente do risco real dessa decisão.

Leia mais: Medo de nova erupção faz 400 mil pessoas deixarem cidade congolesa

Tadini está preso desde quarta-feira, quando foi detido junto com o proprietário e o diretor da empresa Ferrovie del Mottarone, que gere o teleférico; os três acusados de múltiplos homicídios intencionais, desastre por negligência e remoção de ferramentas para evitar acidentes de trabalho.

Hoje, Tadini se encontrou com seu advogado, que amanhã irá pedir ao juiz que cuida do caso que seu cliente possa cumprir a detenção em casa.

O Ministério Público e a polícia têm ouvido desde terça-feira passada os depoimentos de todos os funcionários do teleférico que liga as cidades de Stresa e Mottarone, na região de Piemonte.

A procuradora-geral de Verbania, Olimpia Bossi, que lidera as investigações, afirmou na quarta-feira que "os três detidos tinham conhecimento da falha do sistema de trava de segurança há semanas".

Leia mais: Itália prende 3 pessoas por tragédia em teleférico que matou 14

"Ele nem sequer pensou remotamente que isso pudesse acontecer", disse Perillo hoje, enquanto ressaltava que Tadini está "arrependido".

Eitan Biran, de cinco anos de idade, o único sobrevivente do acidente que matou seus pais, seu irmão e dois dos seus bisavós, permanece hospitalizado, com um prognóstico reservado, embora tenha voltado a falar, depois de acordar do coma induzido.

Últimas