Internacional Rússia alerta para represálias depois de YouTube bloquear canal do Parlamento

Rússia alerta para represálias depois de YouTube bloquear canal do Parlamento

Presidente da Câmara baixa do Parlamento afirmou que medida do Google viola direitos dos russos

AFP
YouTube alegou que bloqueio de canal da Duma é devido às sanções dos Estados Unidos

YouTube alegou que bloqueio de canal da Duma é devido às sanções dos Estados Unidos

Sputnik/Alexander Astafyev/via Reuters

Autoridades da Rússia acusaram neste sábado (9) a plataforma YouTube, que pertence ao gigante de tecnologia americano Google, de ter bloqueado o canal parlamentar russo e ameaçaram com represálias.

O presidente da Câmara baixa do Parlamento, Viacheslav Volodin, afirmou que o canal no YouTube "Duma-TV" tinha sido bloqueado e denunciou que com esta medida os Estados Unidos violaram "os direitos dos russos".

"Os Estados Unidos querem ter o monopólio da difusão da informação", declarou em sua conta no Telegram. "Não podemos permiti-lo", assegurou. 

Jornalistas da AFP em Moscou verificaram que na manhã deste sábado não era possível acessar o canal na plataforma, com ou sem rede virtual privada (VPN), um dispositivo que permite evitar bloqueios.

Segundo o Google, o canal foi fechado devido às recentes sanções decretadas pelo governo dos Estados Unidos.

"O Google está comprometido em respeitar as sanções aplicáveis e as leis comerciais. Se uma conta viola nossas condições de uso, tomamos as respectivas medidas", declarou um porta-voz do grupo em comunicado enviado à AFP.

Segundo Moscou, o canal "Duma-TV" tem mais de 145 mil seguidores no YouTube. Ele divulga trechos de debates parlamentares, entrevistas com deputados russos e transmissões ao vivo.

"Tudo parece indicar que o YouTube assinou sua própria condenação", reagiu a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, no Telegram.

O regulador russo de telecomunicações, Roskomnadzor, pediu ao Google que restabeleça "imediatamente" a conta "Duma-TV".

Nas últimas semanas, em pleno conflito na Ucrânia, as autoridades russas acusaram em várias ocasiões o YouTube de bloquear contas de veículos de comunicação e autoridades russas.

Últimas