Rússia x Ucrânia

Internacional Rússia anuncia sanções contra 29 americanos, incluindo Kamala Harris e Mark Zuckerberg

Rússia anuncia sanções contra 29 americanos, incluindo Kamala Harris e Mark Zuckerberg

A lista também contém o nome de 61 canadenses envolvidos nas punições impostas a Moscou pelo conflito com a Ucrânia

AFP
Kamala Harris e Mark Zuckerberg estão impedidos de entrar na Rússia

Kamala Harris e Mark Zuckerberg estão impedidos de entrar na Rússia

Greg Nash-Pool/Getty Images/AFP e Mandel Ngan/AFP

A Rússia proibiu nesta quinta-feira (21) a entrada em seu território de 29 personalidades americanas, incluindo a vice-presidente Kamala Harris e o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em represália pelas sanções impostas a Moscou pela ofensiva militar na Ucrânia.

O ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou que as restrições de viagens para 29 americanos e 61 canadenses - que também incluem funcionários do Departamento da Defesa, líderes empresariais e jornalistas dos dois países, permanecerão em vigor por tempo indeterminado.

A lista dos Estados Unidos inclui o apresentador do canal ABC News George Stephanopoulos, o colunista do Washington Post David Ignatius e o editor do site de notícias Meduza, centrado na Rússia, Kevin Rothrock.

Na lista também aparecem o porta-voz do Pentágono, John Kirby, a subsecretária de Defesa Kathleen Hicks e personalidades do mundo das finanças.

Na lista do Canadá figuram Cameron Ahmad, que trabalha como diretor de comunicação do primeiro-ministro Justin Trudeau, e o comandante das Forças de Operações Especiais, Steve Boivin.

A lista de pessoas inclui aqueles que estão "diretamente envolvidos no desenvolvimento, estabelecimento e aplicação do rumo russofóbico do regime governante no Canadá", afirmou o ministério das Relações Exteriores da Rússia.

A Rússia já havia anunciado sanções contra centenas de funcionários americanos e canadenses, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, em resposta às medidas punitivas de seus países contra Moscou.

Últimas