Estados Unidos

Internacional Rússia diz que não recuará diante de ameaças de sanções dos EUA

Rússia diz que não recuará diante de ameaças de sanções dos EUA

Tensões aumentaram entre os dois países com a acusação americana de que os russos planejam invadir a Ucrânia

AFP
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, faz discurso no Parlamento

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, faz discurso no Parlamento

AFP - 26.01.2022

A Rússia não vai recuar diante de ameaças de sanções dos Estados Unidos devido às tensões na Ucrânia, afirmou a embaixada russa em Washington, horas antes da conversa telefônica prevista para esta terça-feira (1º) entre os chefes da diplomacia das duas potências.

"Não vamos recuar e ficar quietos, ouvindo ameaças de sanções dos Estados Unidos", declarou a embaixada em um texto publicado em sua página do Facebook. "É Washington, e não Moscou, que gera tensões", completa a nota.

O comunicado foi divulgado poucas horas de uma conversa por telefone entre o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, e o secretário de Estado americano, Antony Blinken, para abordar a questão da Ucrânia.

As tensões entre os dois países aumentaram nas últimas semanas com a acusação americana de que a Rússia planeja invadir a Ucrânia.

A Casa Branca afirmou nesta segunda-feira (31) que está preparada para impor sanções a pessoas próximas do presidente russo, Vladimir Putin, em caso de um ataque.

O presidente americano Joe Biden advertiu Putin sobre grandes sanções coordenadas pelos países ocidentais em resposta a uma invasão da Ucrânia.

A Rússia concentrou mais de 100 mil soldados na fronteira com a Ucrânia, o que provocou temores no Ocidente sobre a preparação de uma ofensiva.

A embaixada russa disse que os soldados "não ameaçam ninguém" e que o país tem o "direito soberano" de mobilizar suas Forças Armadas em seu território.

Últimas