Coronavírus

Internacional Rússia envia equipes à Itália para ajudar no combate a coronavírus

Rússia envia equipes à Itália para ajudar no combate a coronavírus

Oito brigadas de emergência com médicos e socorristas, além de veículos de desinfecção, serão enviados para ajudar na luta contra a covid-19

  • Internacional | Da EFE

Veículo militar russo é embarcado em avião em Moscou, para ser levado à Itália

Veículo militar russo é embarcado em avião em Moscou, para ser levado à Itália

Alexei Yereshko / Ministério da Defesa da Rússia via EPA - EFE - 20.3.2020

A Rússia enviou uma equipe de médicos, virologistas e enfermeiros para ajudar a Itália a combater a pandemia do coronavírus transmissor da Covid-19, que já causou mais de 5,4 mil mortes no país, segundo o último balanço oficial.

Leia também: Máscara de lenço umedecido está entre as fake news sobre covid-19

Attilio Fontana, presidente da região da Lombardia, a mais afetada pelo vírus, confirmou neste domingo (22) o reforço dos profissionais de saúde russos, além dos 52 médicos e enfermeiros cubanos que desembarcaram em Milão.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Fontana não especificou quantos profissionais russos chegarão ao país e quando isso vai acontecer.

Brigadas e veículos

Segundo a imprensa italiana, a Rússia enviará oito brigadas móveis de médicos e virologistas militares, veículos especiais para desinfecção e outros equipamentos médicos necessários neste momento na Itália, país com o maior número de mortes pelo novos coronavírus no mundo.

A companhia aérea italiana Alitalia anunciou que está preparando, em coordenação com a Defesa Civil, o primeiro de uma série de voos para o transporte de equipamentos médicos da China que ajudarão hospitais italianos na luta contra a Covid-19.

O governo italiano decidiu no sábado suspender até 3 de abril todas as atividades produtivas — com exceção das essenciais — para tentar conter a disseminação do coronavírus. Supermercados, farmácias, bancos, correios e o transporte público, entre outros serviços e estabelecimentos, continuarão funcionando.

O presidente da região da Campânia, Vincenzo De Luca, pediu ao primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte que o governo tome medidas drásticas para bloquear o fluxo previsível de cidadãos que deixarão o norte do país rumo a suas regiões de origem após a suspensão temporária dessas atividades produtivas.

Parte do país mais afetada pelo coronavírus, o norte é o motor econômico da Itália, e as regiões da Lombardia, Emilia Romagna e Vêneto, as três com maior número de casos de Covid-19, representam 40% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

Últimas