Estados Unidos

Internacional Rússia gastou mais de R$ 1,5 bi em financiamento de campanha de candidatos no mundo desde 2014

Rússia gastou mais de R$ 1,5 bi em financiamento de campanha de candidatos no mundo desde 2014

Segundo inteligência dos EUA, governo de Moscou enviou dinheiro a políticos e partidos de ao menos 20 países 

AFP

Resumindo a Notícia

  • Inteligência dos EUA acredita que Rússia gastou US$ 300 mi em financiamento de campanhas
  • Políticos e partidos de ao menos 20 países podem ter recebido aportes do governo russo
  • Estados Unidos compartilharam documento de inteligência com cem países
  • Lista dos países que receberam financiamento russo desde 2014 não foi divulgada
Não há informações do envolvimento de Putin no esquema de financiamento

Não há informações do envolvimento de Putin no esquema de financiamento

Gavriil Grigorov/Sputnik/AFP - 10.9.2022

A inteligência dos Estados Unidos divulgou nesta terça-feira (13) um realtório em que afirma que a Rússia enviou secretamente pelo menos 300 milhões de dólares (cerca de R$ 1,5 bilhão) a partidos e candidatos políticos estrangeiros em mais de 20 países desde 2014 para ganhar influência.

Os EUA "acreditam que essas são estimativas mínimas e que a Rússia pode ter transferido secretamente fundos adicionais em casos não detectados", declarou um funcionário americano. Não foi divulgada informação sobre países específicos.

O documento cita o caso de um embaixador russo em um país asiático não identificado que teria pago milhões de dólares a um candidato à Presidência.

O governo do presidente Joe Biden solicitou a avaliação depois da invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro, que levou Washington a tentar isolar Moscou e armar Kiev.

Os Estados Unidos compartilham a informação encontrada com os governos de mais de cem países, afirmou o funcionário, como parte da iniciativa "Cúpula das Democracias", lançada por Biden após derrotar o republicano Donald Trump nas urnas.

A nova avaliação não cobre a política interna dos Estados Unidos.

No passado, os serviços de inteligência americanos acusaram Moscou de intervir nas eleições de 2016, sobretudo por meio da manipulação das redes sociais, para apoiar Trump, que expressou admiração pelo presidente russo, Vladimir Putin.

"Os Estados Unidos trabalham duramente para abordar nossas vulnerabilidades, e incitamos outros países a fazerem o mesmo", disse o funcionário.

Últimas