Eleições EUA 2020

Internacional Rússia não espera mudanças nas relações com EUA de Biden

Rússia não espera mudanças nas relações com EUA de Biden

O ministro das relações exteriores, Sergey Lavrov denunciou que, durante os últimos anos, foi semeada nos EUA uma russofobia profunda

  • Internacional | Da EFE

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov

Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov

Denis Balibouse/ Reuters/ 27.10.2020

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, disse não acreditar que as relações entre Rússia e Estados Unidos, deterioradas nos últimos anos, mudarão com o democrata Joe Biden como presidente dos Estados Unidos.

"Nossos politólogos, e eu concordo totalmente com eles, não esperam mudanças revolucionárias" na política exterior dos EUA em relação à Rússia, afirmou durante uma entrevista à imprensa russa e estrangeira, mas admitiu que "fazer previsões neste momento é não é uma ideia muito proveitosa".

Leia mais: Putin parabenizará presidente dos EUA após confirmação de resultado

O chefe da diplomacia russa observou que os Estados Unidos estão "profundamente divididos" atualmente, o que ficou evidente nas eleições presidenciais.

"É claro que os políticos responsáveis devem buscar algumas garras para superarem esta divisão e promoverem ideias unificadoras que aproximem o povo americano", opinou. Para muitos observadores, disse Lavrov, um desses "denominadores comuns" são as relações com a Rússia.

Lavrov denunciou que, durante os últimos anos, foi semeada nos EUA uma russofobia profunda: "Seria uma pena se eles tentassem unificar os EUA com base na russofobia. Veremos", advertiu.

Para o ministro, as declarações de Biden indicam que sua política externa seguirá o curso da política implementada pelo governo do ex-presidente Barack Obama.

Tratado de armas nucleares

Lavrov também não se mostrou otimista quanto à possibilidade de ambos os países conseguirem estender nas próximas semanas o tratado New Start para a redução de armas nucleares, o único que resta entre as duas potências e que expira em 5 de fevereiro.

"Em meio à turbulência nos EUA durante a contagem dos votos, processos e outros distúrbios, não podemos esperar nem da equipe de (Donald) Trump, nem da futura equipe Biden, qualquer proposta concisa e realista não influenciada pela situação imediata. Esperamos que tudo se acalme", comentou.

"Queríamos prorrogá-lo, e colocamos sobre a mesa tudo que era necessário. Agora, cabe a eles responderem. Se a resposta for negativa, viveremos sem este acordo. Temos o necesário para garantir nossa segurança", analisou Lavrov.

Últimas