Internacional Secretário-geral da Otan critica 'fracasso' do governo afegão

Secretário-geral da Otan critica 'fracasso' do governo afegão

Jens Stoltenberg atribuiu às autoridades locais a rapidez com que o grupo extremista talibã ocupou Cabul e dominou o país

AFP
Talebã não enfrentou grande resistência para ocupara a capital afegã, Cabul

Talebã não enfrentou grande resistência para ocupara a capital afegã, Cabul

Javed Tanveer / AFP

O secretário-geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, criticou nesta terça-feira (17) "o fracasso das autoridades afegãs" ante os talibãs e a rapidez com que os rebeldes ocuparam Cabul e, ao mesmo tempo, defendeu o papel da Aliança Atlântica.

As forças da Otan "combateram com coragem" no Afeganistão, "mas não conseguiram controlar o país", já que, "no fim das contas, as autoridades políticas afegãs fracassaram em sua tentativa de se opor aos talibãs e chegar a uma solução pacífica", declarou Stoltenberg. 

"Foi o fracasso das autoridades afegãs que levou ao que estamos vendo atualmente", afirmou, em entrevista coletiva.

A fala de Stoltenberg segue a mesma linha do pronunciamento de Joe Biden na última segunda-feira (16). Segundo o presidente norte-americano, os EUA não podem lutar em uma guerra em que o Afeganistão não quer lutar.

Desde 2001, os EUA gastaram 1 trilhão de dólares no Afeganistão. Durante 20 anos, o exército afegão foi treinado e equipado para controlar o país e fazer frente ao Talibã. No entanto, levou pouco mais de uma semana para o grupo extremista controlar as principais províncias e chegar até a capital, Cabul.

A ofensiva talibã ganhou força com o início da retirada das tropas norte-americanas em maio deste ano. Biden pretendia concluir esse processo até 11 de setembro, mesmo dia dos ataques contra as Torres Gêmeas, que resultou na invasão do Afeganistão para capturar Osama Bin Laden.

Últimas