Senado boliviano aprova projeto para realização de novas eleições

Mais de 30 pessoas morreram nos confrontos de rua que acontecem no país desde o dia 20 de outubro

Protesto de rua na Bolívia na última quinta-feira (21)

Protesto de rua na Bolívia na última quinta-feira (21)

Rodrigo Sura / EFE - 21.11.2019

EL ALTO/LA PAZ - O Senado boliviano aprovou neste sábado (23) projeto de lei para convocar novas eleições, enquanto manifestantes antigoverno na Bolívia desfizeram bloqueios nas ruas antes de conversas com a presidente interina Jeanine Áñez, que busca pôr fim a semanas de distúrbios.

Enquanto isso, os filhos do ex-presidente Evo Morales deixaram a Bolívia neste sábado para a Argentina, onde chegarão por volta das 16h (horário de Brasília) como cidadãos comuns bolivianos, sem um pedido de asilo, disse uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

O projeto de lei aprovado no Senado agora passará à Câmara dos Deputados, que planejava discutir o texto ainda neste sábado. Se aprovado pelo Congresso, deve ser sancionado por Añez.

A suspensão dos bloqueios e o progresso no Congresso deixam a Bolívia mais perto de um acordo para encerrar os violentos protestos, que têm convulsionado o país desde a controversa eleição de 20 de outubro.

Leia mais: Bolívia: Defensoria confirma 8 civis mortos baleados em ação militar

Mais de 30 pessoas morreram nos confrontos, principalmente após a renúncia de Evo Morales, que deixou o cargo sob pressão das Forças Armadas e dos manifestantes em 10 de novembro, em meio a acusações de fraude nas eleições que lhe deram um quarto mandato consecutivo.

Morales, importante líder socialista latino-americano que esteve no poder por quase 14 anos, disse que foi derrubado em um golpe de Estado e viajou para o México, que lhe concedeu asilo.