Internacional Sobe para 12 o número de mortos no desabamento em Miami

Sobe para 12 o número de mortos no desabamento em Miami

As buscas por 149 desaparecidos prosseguem no prédio na Flórida, que deve receber a visita do presidente Biden na quinta (1º)

AFP
Bombeiros continuam o trabalho meticuloso nos escombros do prédio que desabou

Bombeiros continuam o trabalho meticuloso nos escombros do prédio que desabou

Jon Raedle / Getty Images via AFP - 29.6.2021

Subiu para 12 o número de mortes confirmadas após o desabamento parcial de um prédio residencial em Miami Beach, na Flórida (EUA), onde 149 pessoas seguem desaparecidas. O presidente norte-americano, Joe Biden, anunciou nesta terça-feira (29) que visitará o local na próxima quinta.

Leia também: Esperança de encontrar sobreviventes em Miami diminui

A Casa Branca disse que o presidente irá até o local acompanhado da primeira-dama, Jill Biden, para garantir que as autoridades estaduais e locais tenham tudo o que precisam para a enfrentar a situação.

“Eles querem agradecer aos heroicos socorristas, equipes de busca e resgate e a todos os que trabalham incansavelmente 24 horas por dia”, disse a secretária de imprensa, Jen Psaki.

O presidente e sua esposa também desejam "encontrar as famílias que foram obrigadas a suportar esta terrível tragédia, esperando com angústia e desolação saber sobre seus entes queridos, para oferecer-lhes conforto enquanto os esforços de busca e resgate continuam", acrescentou.

Moradores da parte do complexo Champlain Towers South que permaneceu intacta relataram ter acordado por volta da 1h30 do dia 24 de junho (08h30 em Brasília) com um barulho semelhante ao de um trovão que sacudiu seus quartos.

As equipes de resgate que chegaram momentos após a queda da torre de 55 apartamentos ajudaram a evacuar dezenas de moradores e retiraram um adolescente vivo dos escombros.

Mas, desde então, as autoridades têm enfrentado a frustração crescente de familiares e amigos de moradores que ainda estão presos sob uma enorme pilha de concreto e ferro retorcido.

Busca "meticulosa e exaustiva"

Dois imensos guindastes estão sendo utilizados para retirar cuidadosamente os escombros. Os bombeiros, que trabalham sem descanso debaixo de calor e forte umidade, estão sendo ajudados por uma tecnologia de busca por imagem e som para localizar bolsões de ar entre os destroços onde ainda possam haver pessoas com vida, ainda que a esperança vá diminuindo com o passar dos dias. Mais de 1,3 mil toneladas de materiais já foram retiradas.

A prefeita do condado de Miami-Dade, Daniella Levine Cava, ressaltou os motivos da lentidão por conta de uma busca "meticulosa e exaustiva" por sobreviventes.

“Atualmente há 210 pessoas trabalhando no local. A equipe de busca e resgate da cidade aumentou com equipes de todo o estado e de todo o mundo”, disse Levine Cava.

Em meio ao calor sufocante e à chuva, as equipes nacionais, juntamente com especialistas de Israel e do México, verificam as ruínas dia e noite em busca de sinais de vida, coletando evidências de possíveis falhas críticas pré-existentes na estrutura do edifício.

Dois venezuelanos foram identificados entre os mortos e há outros 29 latino-americanos vinculados à propriedade da qual ainda não há notícias: nove da Argentina, seis da Colômbia, seis do Paraguai, quatro da Venezuela, três do Uruguai e um do Chile.

“Sentimos que esta tragédia em Miami é nossa porque é o principal assentamento de venezuelanos nos Estados Unidos”, disse Carlos Vecchio, representante diplomático do opositor venezuelano Juan Guaidó, considerado presidente interino da Venezuela pelos Estados Unidos.

"Não vamos perder as esperanças!", pediu Vecchio, após visitar o local nesta terça-feira.

Advertência aos proprietários

Biden, que declarou estado de emergência na sexta-feira, que permite ajuda federal para operações de resgate e realocação para os sobreviventes, disse no fim de semana que seu governo estava "pronto para fornecer qualquer apoio ou assistência necessária".

"Este é um momento inimaginavelmente difícil para as famílias que sofrem com esta tragédia", disse ele em um comunicado no domingo.

As autoridades locais prometeram uma investigação "completa" sobre as causas do que aconteceu.

Segundo uma carta divulgada nesta terça-feira pela mídia norte-americana, o presidente da associação dos proprietários do complexo Champlain Towers South, Jean Wodnicki, alertou os moradores há dois meses que seu prédio estava sofrendo uma "deterioração" crescente.

Na carta, de 9 de abril, ele estimou que seria necessário investir cerca de 15 milhões de dólares (pouco menos de R$ 75 milhões) nas avaliações necessárias para resolver problemas estruturais.

Desde 2018, “a deterioração do concreto se acelerou, a condição do telhado piorou consideravelmente”, alertou Wodnicki.

Naquele ano, um relatório sobre a luxuosa construção já indicava "danos estruturais significativos", bem como "rachaduras" no porão do prédio, de acordo com documentos divulgados pelo governo de Surfside.

“A impermeabilização sob as bordas da piscina e a via de acesso para veículos (...) já ultrapassou sua vida útil e, portanto, deve ser removida e totalmente substituída”, escreveu o especialista Frank Morabito neste documento, pedindo reparos “dentro de um prazo razoável", embora sem indicar abertamente um risco de colapso.

Últimas