Internacional Sobe para 62 o número de vítimas da colisão entre trens no Paquistão

Sobe para 62 o número de vítimas da colisão entre trens no Paquistão

Acidente deixou 28 pessoas hospitalizadas, sendo que seis estão em estado grave, e as buscas por vítimas ainda continuam

  • Internacional | Da EFE

Colisão entre dois trens no Paquistão deixa 62 mortos e 28 pessoas hospitalizadas

Colisão entre dois trens no Paquistão deixa 62 mortos e 28 pessoas hospitalizadas

WAQAR HUSSEIN/EFE/EPA/

O número de mortos na colisão de dois trens no sul do Paquistão ocorrida na segunda-feira (7) subiu para 62, enquanto 28 pessoas continuam hospitalizadas, seis delas em estado grave, informaram nesta terça-feira (8) as autoridades locais.

Mohamed Usman Abdullah, vice-comissário de Ghotki, distrito onde ocorreu o acidente, disse à Agência Efe que o número de mortos aumentou para 62, após a descoberta de mais corpos durante a noite.

Ele também afirmou que as operações pela busca de mais corpos continuam, mas acredita que há "poucas chances" de que outros sejam localizados.

O acidente ocorreu na manhã de segunda-feira (7), no distrito de Ghotki, na província de Sindh, quando um trem descarrilou e caiu em outro trilho, causando a colisão.

O governo e o Exército iniciaram uma grande operação de resgate, para tentar salvar as dezenas de pessoas presas nos destroços dos trens.

A localização remota do local do acidente dificultou o resgate, que continuou durante toda a noite de ontem e segue em andamento hoje.

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, ordenou uma investigação imediata sobre o acidente. "Eu ordenei uma investigação completa sobre as falhas de segurança nas ferrovias", anunciou em sua conta no Twitter.

Por sua vez, o presidente da empresa ferroviária Pakistan Railways, Habibur Rehman Gilani, reconheceu que os trilhos onde ocorreu o acidente eram antigos e precisam ser substituídos.

Os acidentes de trem são comuns no Paquistão, que possui uma antiga rede ferroviária que remonta aos tempos do Império Britânico, da qual se tornaram independentes em 1947.

Últimas