Internacional Soldado dos EUA entrou ilegalmente na Coreia do Norte, afirma imprensa estatal

Soldado dos EUA entrou ilegalmente na Coreia do Norte, afirma imprensa estatal

Travis King, de 23 anos, deveria ter retornado aos Estados Unidos para enfrentar medidas disciplinares, mas desertou em julho

AFP
Travis King teria reclamado de racismo no Exército

Travis King teria reclamado de racismo no Exército

Ed Jones / AFP - 27/07/2014 // Reuters - 19/7/2023

Um soldado americano que cruzou correndo a fronteira e entrou na Coreia do Norte em julho "admitiu que o fez ilegalmente", reportou, nesta quarta-feira (noite de terça, 15, no Brasil) a agência de notícias estatal norte-coreana KCNA. Essa foi a primeira reação pública da Coreia do Norte ao caso do soldado Travis King, que, segundo a imprensa, tem 23 anos.

King deveria ter retornado aos Estados Unidos para enfrentar medidas disciplinares, após se envolver em uma briga em um bar, protagonizar uma discussão com a polícia e passar um breve período em uma prisão da Coreia do Sul.

Em vez de embarcar em um avião para os Estados Unidos, no entanto, o soldado se juntou a uma visita turística pela Zona Desmilitarizada, que separa as duas Coreias, e fugiu pela fronteira.

"Durante a investigação, Travis King confessou que havia decidido ir à Coreia do Norte porque se ressentia dos maus-tratos e da discriminação racial dentro do Exército americano", destacou a KCNA.

Os Estados Unidos não têm relações diplomáticas formais com a Coreia do Norte. Desde que os norte-coreanos fecharam suas fronteiras, no começo da pandemia, a maioria das embaixadas com presença em Pyongyang retirou seus diplomatas.

Últimas