Internacional Talibãs aceitam saída de afegãos após 31 de agosto, diz negociador

Talibãs aceitam saída de afegãos após 31 de agosto, diz negociador

Segundo diplomata alemão, chefe do grupo extremista teria dito que a população poderá deixar o país após a data estipulada

AFP
Afegãos lotam estradas para tentar chegar ao aeroporto de Cabul

Afegãos lotam estradas para tentar chegar ao aeroporto de Cabul

Wakil KOHSAR / AFP

Os talibãs aceitaram que os afegãos possam deixar seu país após a retirada definitiva das tropas americanas em 31 de agosto — afirmou o diplomata alemão Markus Potzel, que participa das negociações com os talibãs, nesta quarta-feira (25), ao deixar uma reunião no Catar.

O chefe adjunto do escritório político dos talibãs no Catar, Sher Abbas Stanekzai, "me assegurou que os afegãos que tenham documentos válidos continuarão a ter a possibilidade de viajar em voos comerciais após 31 de agosto", tuitou Potzel.

Leia mais: Talibã testa helicóptero americano deixado pelo exército afegão

O diplomata, enviado especial da Alemanha no Afeganistão, afirmou que abordou a "necessidade urgente" de ter um "aeroporto de Cabul que funcione" como condição prévia ao trabalho das ONGs e dos diplomatas no país.

No dia anterior, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pressionado pelos fundamentalistas, confirmou que as operações de retirada terminariam na semana que vem, apesar de milhares de afegãos tentarem sair do país desde que os talibãs tomaram o poder em 15 de agosto.

Leia mais: Reino Unido autoriza retirada de cães e gatos do Afeganistão

A chanceler alemã Angela Merkel considerou nesta quarta-feira que a comunidade internacional tem que continuar "dialogando com os talibãs" para preservar as conquistas alcançadas no Afeganistão nos últimos anos.

"A comunidade internacional tem que dialogar sobre isso com os talibãs", acrescentou na reta final da retirada das tropas americanas, que será concluída em 31 de agosto.

Para a chefe do governo alemão, "o Talibã é uma realidade no Afeganistão". "Esta nova realidade é amarga, mas devemos enfrentá-la", admitiu.

Últimas