Terror na Europa
Internacional Terrorista disse aos reféns do supermercado em Paris que atuava em nome do Estado Islâmico

Terrorista disse aos reféns do supermercado em Paris que atuava em nome do Estado Islâmico

Amedy Coulibaly manteve mais de dez pessoas reféns em um supermercado judeu de Paris

Terrorista disse aos reféns do supermercado em Paris que atuava em nome do Estado Islâmico

Sequestro terminou com quatro mortos e quatro feridos

Sequestro terminou com quatro mortos e quatro feridos

Youssef Boudlal/09.01.2015/Reuters

Amedy Coulibaly, o terrorista que manteve mais de dez pessoas reféns em um supermercado judeu de Paris e que disse ter matado quatro deles, contou aos sequestrados que atuava para vingar o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

A conversa entre Coulibaly e os reféns foi obtida pela rádio francesa "RTL", que ligou para o supermercado "Hyper Cacher" e pôde escutar essa diálogo depois de o telefone ser mal colocado no gancho.

O jihadista disse estar motivado pela ação militar francesa no Mali, os bombardeios ocidentais na Síria e a apatia da população ocidental a respeito, o que, para ele, respaldam as ações de seus respectivos governos.

— Em primeiro lugar, vocês que elegem seus governos e esses governos nunca esconderam que fariam guerra no Mali ou em outras partes. Vocês que os financiaram. Pagam impostos e estão de acordo.

Brasileira que vive em Paris relata medo, muda rotina e avisa: 'Eu não vou sair de casa no fim de semana'

O agressor, cuja conversa foi retransmitida esta manhã pela emissora, disse que é necessário que parem de atacar o Estado Islâmico e de "prender nossos irmãos por nenhum motivo".

"Manifestem-se e digam: 'deixem os muçulmanos tranquilos'. Por que não fazê-lo?", questionou às pessoas retidas no supermercado, e afirmou que, de acordo com "a lei do Talião", se "suas crianças, mulheres e combatentes são atacados, eles atacam quem os combatem".

Leia mais notícias de Internacional

Coulibaly, suspeito de ter assassinado na quinta-feira (8) uma policial municipal no sul da capital francesa, morreu ontem na operação das forças especiais francesas para pôr fim ao sequestro, que terminou com quatro reféns mortos e quatro policiais feridos.