Internacional Tiroteio no aeroporto de Cabul deixa um guarda afegão morto

Tiroteio no aeroporto de Cabul deixa um guarda afegão morto

Confronto feriu ainda outras três pessoas, mas nenhum soldado estrangeiro, segundo informações divulgadas pelo exército alemão

AFP
Aeroporto de Cabul teve tiroteio nesta segunda-feira (23) e um guarda afegão morreu

Aeroporto de Cabul teve tiroteio nesta segunda-feira (23) e um guarda afegão morreu

WAKIL KOHSAR / AFP

Um guarda afegão morreu nesta segunda-feira (23) no aeroporto de Cabul em um tiroteio com homens não identificados, que também teve a participação de soldados alemães e americanos, informou o exército da Alemanha no Twitter.

O que está por trás da mudança de discurso do Talibã?

"Esta manhã, às 4h13, aconteceu uma troca de tiros entre guardas afegãos e criminosos não identificados na entrada norte do aeroporto de Cabul", afirma o tuíte do exército. "Um guarda afegão morreu, três ficaram feridos", completa a nota.

Soldados alemães e norte-americanos participaram em "tiroteios posteriores", mas nenhum soldado da Alemanha ficou ferido.

Desde que assumiram o poder no Afeganistão em 15 de agosto, os talibãs tentam convencer a população de que seu regime será menos brutal que o anterior, entre 1996 e 2001. Mas suas promessas não conseguem reduzir o desejo de milhares de pessoas de fugir do país.

Talibã: 7 pontos importantes para entender o grupo extremista

O aeroporto de Cabul registra cenas de caos. Dezenas de milhares de pessoas, estrangeiros e afegãos, tentam fugir do país desde que os talibãs assumiram o controle da capital há mais de uma semana.

O governo dos EUA retirou quase 30.300 pessoas desde 14 de agosto, informou no domingo (22) a Casa Branca. A estimativa é que 15 mil norte-americanos e entre 50 mil e 60 mil afegãos serão retirados do Afeganistão até 31 de agosto. 

Para reforçar a operação de retirada, Washington ordenou a seis grandes companhias aéreas comerciais que transportem para os Estados Unidos as pessoas retiradas de Cabul que estão em bases americanas no Golfo e na Europa.

Talibã: 7 pontos importantes para entender o grupo extremista

Últimas