Internacional Trump dá benefício da dúvida à Arábia Saudita em caso de jornalista

Trump dá benefício da dúvida à Arábia Saudita em caso de jornalista

Jamal Khashoggi, um crítico do príncipe Mohammed bin Salman, desapareceu após entrar no consulado saudita na Turquia no dia 2 de outubro

Trump da benefício da dúvida à Arábia em caso de jornalista

Trump diz príncipe saudita negou saber de jornalista

Trump diz príncipe saudita negou saber de jornalista

Jonathan Ernst/Reuters - 10.10.2018

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (16) que o príncipe da Arábia Saudita negou saber o que teria acontecido no consulado saudita em Istambul onde Jamal Khashoggi desapareceu há duas semanas, mesmo depois de um aliado de Trump no Congresso acusar o príncipe de ter ordenado a morte do jornalista.

Em entrevista à Associated Press, Trump concedeu benefício da dúvida à Arábia Saudita. "Aqui vamos nós de novo... com você é culpado até que se prove inocente", declarou.

Khashoggi, morador dos Estados Unidos e um importante crítico do influente príncipe da coroa saudita Mohammed bin Salman, desapareceu após entrar no consulado saudita no dia 2 de outubro. Autoridades turcas dizem acreditar que o jornalista saudita foi assassinado e seu corpo retirado de lá, acusação que os sauditas negam veementemente. 

Na segunda-feira, investigadores turcos adentraram o consulado saudita pela primeira vez desde o desaparecimento de Khashoggi e fizeram buscas por mais de nove horas. 

Trump destacou o secretário de Estado, Mike Pompeo, para Riad para discutir o desaparecimento de Khashoggi com líderes da Arábia Saudita, há décadas um importante aliado dos Estados Unidos contra o Irã. 

"Acabei de falar com o príncipe da coroa da Arábia Saudita que negou totalmente qualquer conhecimento do que tenha acontecido dentro de seu consulado turco", disse Trump no Twitter. 

Trump também escreveu que o príncipe "me disse que já começou, e rapidamente vai expandir, uma investigação completa sobre essa questão. Respostas aparecerão em breve". 

Republicanos criticam sauditas

O senador norte-americano Lindsey Graham, um republicano próximo a Trump em algumas questões, chamou o príncipe de uma figura "tóxica" acrescentando que "ele não pode nunca ser um líder mundial no palco mundial". 

O deputado republicano Jeb Hensarling, que deixará em breve o comitê de serviços financeiros da Casa, disse que Washington talvez tenha que seriamente rever as relações com a Arábia Saudita se Riad estiver envolvido na morte de Khashoggi. 

"Se isso for um assassinato sancionado pelo Estado, o que pode ser provado, então teremos que fundamentalmente repensar nossa relação com o Reino da Arábia Saudita. Com certeza", disse Hensarling à Reuters.

Pompeo se encontrou o rei saudita Salman e com o príncipe na terça-feira. Ele viajará para a Turquia na quarta-feira para conversar com autoridades turcas sobre Khashoggi. 

Pompeo disse em comunicado após seus encontros que os líderes sauditas negaram fortemente qualquer conhecimento sobre o que tenha acontecido no consulado em Istambul. 

"A minha avaliação é que (...) há um sério comprometimento para determinar todos os fatos e descobrir a responsabilidade, incluindo a responsabilidade dos líderes sauditas e autoridades", disse o principal diplomata dos EUA em nota.

Dilema para os EUA

As declarações refletem um dilema para os Estados Unidos, Reino Unido e outros países ocidentais sobre como responder a uma monarquia autoritária que não se curva diante de pressões externas.

A Arábia Saudita é a principal exportadora de petróleo do mundo, gasta significativamente com armas no Ocidente e é uma grande aliada dos muçulmanos sunitas. 

Uma busca que seria feita na residência do cônsul saudita em Istambul foi cancelada porque autoridades sauditas não puderam participar, disse a polícia turca.

O ministro de Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, disse na terça-feira que autoridades turcas estenderiam sua investigação sobre o desaparecimento de Khashoggi para incluir a residência do cônsul saudita e alguns veículos. 

Veículos de imprensa norte-americanos reportaram na segunda-feira que a Arábia Saudita reconheceria que Khashoggi teria sido morto em uma interrogação frustrada.

Trump especulou na segunda-feira que "assassinos independentes" poderiam estar por trás do desaparecimento, mas não ofereceu evidências para apoiar sua teoria.

Arte Khashoggi vale esta

Arte Khashoggi vale esta

Arte R7