Era Trump

Internacional Trump dá prazo de duas semanas para iniciar 'grande deportação'

Trump dá prazo de duas semanas para iniciar 'grande deportação'

Presidente dos EUA afirma querer dar aos democratas todas as oportunidades para negociar mudanças simples em asilos e vazios legais

  • Internacional | Da EFE

'Duas semanas e a grande deportação começa'

'Duas semanas e a grande deportação começa'

Carlos Barria/Reuters - 21.6.2019

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insistiu neste domingo (23) que os democratas têm duas semanas para negociar "mudanças simples" no processo de asilo e nos vazios legais da migração e indicou que, caso contrário, iniciará "a grande deportação".

"Quero dar aos democratas todas as oportunidades para negociar rapidamente mudanças simples em asilos e vazios legais", escreveu o líder no Twitter.

"Isto regulará a fronteira sul, junto com a ajuda que o México nos está dando agora", acrescentou Trump, embora tenha admitido que embora "provavelmente não suceda, vale a pena tentar".

Caso contrário, afirmou, "duas semanas e a grande deportação começa".

No sábado, um dia antes das batidas maciças antecipadas por veículos de imprensa locais, Trump estabeleceu um tempo de espera às deportações para que democratas e republicanos encontrem soluções à situação na fronteira com o México.

"Por solicitação dos democratas, atrasei o Processo de Remoção de Imigração Ilegal (Deportação) por duas semanas para ver se democratas e republicanos podem se reunir e encontrar uma solução para os problemas de asilo e os vazios legais na fronteira sul", escreveu Trump no Twitter.

O governante fez o anúncio depois que a presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, chamou a suspender as batidas "sem coração" e advertiu que "injetarão o terror" no país.

Pelosi lembrou a Trump que assim como "falou sobre a importância de evitar o dano de 150 vidas no Irã" quando desistiu de um ataque nesse país em resposta à demolição na quinta-feira de um drone americano, fez o mesmo para evitar "o dano a dezenas de milhares de crianças que estão assustados pelas suas ações".

A chefe da Câmara Baixa se uniu a várias vozes que rejeitaram o anúncio das batidas, que suscitaram temor em distintas comunidades imigrantes.

Veículos de imprensa locais informaram na sexta-feira que o Serviço de Imigração e Alfândegas dos EUA (ICE, em inglês) planejava iniciar neste domingo batidas maciças nas cidades de Nova York, Miami (Flórida), Houston (Texas), Los Angeles e San Francisco (Califórnia), Chicago (Illinois), Atlanta (Geórgia), Baltimore (Maryland), Nova Orleans (Louisiana) e Denver (Colorado).

A operação do ICE poderia afetar até 2 mil famílias de imigrantes ilegais.

No entanto, Trump mencionou no sábado que os agentes da ICE estavam concentrados em tirar dos Estados Unidos os integrantes do grupo Mara Salvatrucha (ms-13).

Esse grupo nasceu em Los Angeles nos anos 80, quando milhares de salvadorenhos emigraram aos EUA para fugir da guerra civil no país.

Desde então, o grupo tem se expandido e provocou estragos na América Central, especialmente em El Salvador.

Últimas