Eleições EUA 2020

Internacional Trump diz ter vencido eleições e ameaça ir à Suprema Corte se houver ‘fraude’

Trump diz ter vencido eleições e ameaça ir à Suprema Corte se houver ‘fraude’

Mesmo sem o término da apuração em alguns estados importantes, o presidente afirmou que ganhou a eleição

  • Internacional | Do R7, com Agência EFE

Trump fez pronunciamento na Casa Branca

Trump fez pronunciamento na Casa Branca

REUTERS/Carlos Barria/04 - 01- 2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira (4) que venceu as eleições no país - apesar de a apuração ainda estar em andamento em vários estados decisivos - e ameaçou recorrer à Suprema Corte para denunciar uma suposta "fraude" contra ele.

"Esta é uma fraude contra o povo americano (...). Ganhamos estas eleições", afirmou Trump em pronunciamento na Casa Branca.

"Iremos à Suprema Corte. Queremos que pare todo o processo de votação. Não queremos que eles encontrem cédulas às 4 horas da manhã e as acrescentem ao desastre", acrescentou.

Quando Trump falava, estava conseguindo 213 dos 270 delegados do Colégio Eleitoral que são necessários para um candidato vencer o pleito - nos EUA, a votação não é direta e é decidida por esses delegados, cujo número varia de acordo com cada estado em disputa. No mesmo instante, Biden estava com 224.

Os estados de Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, três dos mais importantes dessa eleição, advertiram que precisariam de mais horas e até mesmo dias para contar todos os votos, devido em parte ao aumento do volume de votações por correio na esteira da pandemia do novo coronavírus.

O presidente e sua campanha vêm abrindo o caminho para possíveis ações judiciais há meses, semeando a desconfiança em relação ao voto dos ausentes nas urnas - embora não haja evidências de que isso possa levar a uma fraude generalizada - e insistindo que o resultado que deve ser contado é o da noite das eleições.

"Milhões e milhões de pessoas votaram em nós nesta noite, e um grupo muito triste de pessoas está tentando tirar o direito de voto desse grupo, e nós não vamos tolerar", declarou.

Últimas