Turquia ataca posições dos EUA em ofensiva contra curdos na Síria

Pentágono confirmou que um posto com militares norte-americanos foi atingido pela artilharia turca durante ataque no norte da Síria nesta sexta

Ataques da Turquia no norte da Síria atingiram posto dos EUA

Ataques da Turquia no norte da Síria atingiram posto dos EUA

Stringer / EPA via EFE - 11.10.2019

Militares dos Estados Unidos que atuam no nordeste da Síria foram nesta sexta-feira (11) alvos de um ataque de artilharia da Turquia, que promove uma ofensiva na região contra os curdos.

O ataque, confirmado pelo Pentágono à Agência Efe, não deixou vítimas e ocorreu nos arredores da cidade de Kobane, fora do chamado "mecanismo de segurança", a área no nordeste da Síria que a Turquia quer controlar.

Leia também: 7 pontos-chave para entender os ataques da Turquia no norte da Síria

"A explosão ocorreu a poucas centenas de metros de uma posição fora da região do mecanismo de segurança, uma área conhecida pelos turcos por ter presença americana", disse Brook DeWalt, um dos porta-vozes do Pentágono, à Efe.

"Os Estados Unidos pedem à Turquia que evitem ações que possam resultar em uma reação defensiva", completou o porta-voz.

O incidente ocorreu por volta das 21h locais (15h em Brasília). Nenhum militar americano ficou ferido, segundo o Pentágono.

"Os Estados Unidos segue se opondo ao movimento militar turco na Síria e especialmente se opõe às operações turcas fora da região do mecanismo de segurança e em áreas onde os turcos sabem que as forças americanas estão presentes", alertou DeWalt.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou no último domingo a retirada das tropas americanas da região do mecanismo de segurança, abrindo caminho para a ofensiva da Turquia contra os curdos, até então um dos principais aliados da Casa Branca no combate os integrantes do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na região.

A decisão de virar as costas para os curdos gerou uma série de críticas de aliados e opositores nos EUA, o que fez Trump endurecer o tom contra o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e ameaçar dizimar a economia do país caso a ofensiva não seja "humana" com os curdos.

Para pressionar Erdogan a desistir da ofensiva, Trump assinou uma ordem executiva que dá ao Departamento do Tesouro poder de impor sanções ao governo turco.