Eleições EUA 2020

Internacional Twitter e Facebook limitam alcance de reportagem sobre Biden

Twitter e Facebook limitam alcance de reportagem sobre Biden

A decisão editorial das plataformas foi alvo de críticas pelo adversário de Biden na corrida presidencial, o presidente Donald Trump

Reuters - Internacional
Twitter e Facebook reduziram o compartilhamento de uma reportagem sobre Biden

Twitter e Facebook reduziram o compartilhamento de uma reportagem sobre Biden

Pixabay

O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou nesta quarta-feira (14) a decisão do Facebook e do Twitter de limitarem a publicação de uma reportagem do New York Post sobre o candidato democrata à Presidência Joe Biden e seu filho, Hunter.

Segundo a reportagem, emails indicariam que o filho do então vice-presidente Biden, Hunter Biden, tentou apresentar a seu pai um importante executivo de uma empresa ucraniana para a qual Hunter Biden trabalhava. Tanto o Twitter quanto o Facebook, decidiram reduzir a circulação desta reportagem nas redes.

- Acompanhe a cobertura completa das Eleições EUA 2020 -

De acordo com o jornal CNBC, Andrew Bates, porta-voz da campanha de Biden, contestou a história publicada pelo New York Post em um comunicado. Segundo Bates, o caso chegou a ser investigado inclusive por republicanos, e nenhum delito teria sido encontrado.

"Joe Biden executou a política oficial dos EUA em relação à Ucrânia e não se envolveu em nenhum delito. Funcionários da administração Trump atestaram esses fatos sob juramento", disse Bates.

Contudo, Trump utilizou o Twitter para criticar a redução do compartilhamento da história. "Tão terrível que o Facebook e o Twitter publicaram a história de e-mails do "Smoking Gun" ligados a Sleepy Joe Biden e seu filho, Hunter, no @nypost", escreveu Trump.

Últimas