Twitter remove vídeo de Trump sobre Floyd por direitos autorais

Rede social diz ter recebido reclamação sobre uso de imagens em um vídeo publicado pela conta da campanha eleitoral do presidente dos EUA

Trump já está em guerra declarada contra as redes sociais, especialmente o Twitter

Trump já está em guerra declarada contra as redes sociais, especialmente o Twitter

Doug Mills / Pool via EFE - EPA - 28.5.2020

O Twitter removeu da rede um vídeo sobre a morte de George Floyd postado pela campanha à reeleição do presidente dos EUA, Donald Trump, alegando que a publicação viola regras de direito autoral. A remoção ocorre em meio a um aumento da tensão entre a empresa e a Casa Branca provocado por decisões anteriores em relação a tuítes de Trump, classificados como informação falsa ou de promoção da violência.

O vídeo faz uma montagem de imagens de George Floyd e de imagens dos protestos contra o racismo que se espalharam pelos EUA após a sua morte. Sobre as imagens, a voz de Trump lamentando o acontecido, para em seguida mudar o tom e alertar sobre a "violência e anarquia" de "grupos de extrema-esquerda".

Um porta-voz do Twitter informou ao site de notícias The Hill que a empresa recebeu ao menos uma reclamação sobre as imagens usadas no vídeo. O vídeo foi então repassado ao Lumen Database, um grupo ligado à Universidade de Harvard que realiza checagens para a rede social, que avaliou que houve uma violação de direitos autorais.

A campanha de Trump diz que o Twitter censurou o presidente. "Em declarações duvidosas de direitos autorais, o Twitter falhou repetidamente em explicar por que suas regras parecem se aplicar apenas à campanha de Trump, mas não a outras. Censurar a importante mensagem de unidade do presidente em torno dos protestos de George Floyd é uma infeliz escalada desse duplo padrão."