Novo Coronavírus

Internacional União Europeia quer reciprocidade dos EUA sobre entrada de turistas

União Europeia quer reciprocidade dos EUA sobre entrada de turistas

Países membros do bloco permitem a entrada de americanos após a aplicação de vacina contra a covid-19 autorizada no continente

  • Internacional | Da AFP

Turistas americanos podem entrar na Europa após tomar vacina contra covid-19

Turistas americanos podem entrar na Europa após tomar vacina contra covid-19

Andreas Solaro/ AFP

A União Europeia pediu aos Estados Unidos "reciprocidade" na flexibilização das restrições à recepção de turistas, como quarentenas ou testes negativos para a covid-19, afirmou nesta segunda-feira (7) o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton.

Os 27 Estados-membros acordaram, em 19 de maio, em permitir a entrada na UE de viajantes de países terceiros totalmente vacinados contra a covid-19 com qualquer um dos imunizantes autorizados a nível europeu.

Além disso, os passageiros devem ter recebido a segunda dose da Pfizer, AstraZeneca ou Moderna ou a injeção única da Johnson pelo menos 14 dias antes de entrar no território comunitário.

Nestes casos, Bruxelas propôs não exigir um teste negativo ou quarentena para os viajantes, embora a decisão final corresponda a cada Estado-membro.

A França, por exemplo, continuará a exigir um teste negativo (PCR ou antígeno) aos turistas norte-americanos totalmente vacinados que, por outro lado, poderão entrar na Espanha sem restrições.

Entrevistado na rádio francesa RTL, o comissário Breton indicou que fará, "na parte da tarde, uma conversa com o seu colega americano, responsável pelas vacinas americanas, para discutir esta questão" da recepção recíproca de turistas.

"Recebemos turistas americanos (...) a partir do momento em que recebem as duas doses e esperam 15 dias", afirmou o responsável pela pasta do Mercado Interno da Comissão Europeia.

"Insisto que queremos reciprocidade porque, por enquanto, ainda temos quarentena nos Estados Unidos" para os europeus, acrescentou o comissário.

Referindo-se à China, Breton indicou que está estudando a evolução da pandemia, mas que também espera reciprocidade de Pequim.

"É necessário que a partir do momento em que recebamos os turistas chineses, haja a mesma reciprocidade se as situações forem comparáveis", afirmou.

Últimas