Coronavírus

Internacional Uruguai vacinará adolescentes de 12 a 18 anos contra a covid-19

Uruguai vacinará adolescentes de 12 a 18 anos contra a covid-19

Agência reguladora do país autorizou a imunização para menores de 18 anos, enquanto país enfrenta seu pior momento

AFP
O 
Uruguai já vacinou metade de sua população adulta contra a covid-19

O Uruguai já vacinou metade de sua população adulta contra a covid-19

Eitan Abramovich / AFP - 27.5.2021

Os adolescentes de 12 a 18 anos residentes no Uruguai poderão agendar para se vacinar contra a covid-19, anunciou nesta terça-feira (1º) o presidente Luis Lacalle Pou, em entrevista transmitida pela televisão.

Leia também: Reino Unido tem primeiro dia sem mortes por covid-19 desde julho

"Hoje a Comissão de Vacinas autorizou a vacinação de 12 a 18 anos. Até o fim desta semana estaremos chamando para que agendem" a imunização nesta faixa etária, disse o presidente em entrevista ao noticiário do local Canal 10.

As crianças e os adolescentes destas idades serão vacinados com o imunizante da Pfizer.

Lacalle também informou que o governo assinou uma reserva de mais de 500.000 novas doses da Coronavac, do laboratório chinês Sinovac. "E aí teremos todas as vacinas para todo mundo", assegurou.

O Uruguai já adquiriu mais de seis milhões de doses de vacinas contra a covid, incluindo as da Pfizer e da Sinovac. Também encomendou imunizantes do mecanismo Covax, através do qual conseguiu até agora 100 mil doses da Astrazeneca.

Pior momento uruguaio

O presidente voltou a defender a decisão de evitar medidas mais estritas de redução à mobilidade, nas quais a comunidade científica e os sindicatos médicos têm insistido.

"Os que pedem quarentena são os assalariados, os que recebemos no fim do mês (...) O jornaleiro passa por mim e agradece por não matá-lo de fome", afirmou.

Depois de um ano de 2020 exemplar na gestão da pandemia, o Uruguai vive atualmente o pior momento da emergência sanitária.

O país de 3,5 milhões de habitantes registra 4.276 mortes por covid-19 e se mantém como o país do mundo com a cifra mais elevada de mortes pelo vírus nos últimos 14 dias, segundo dados da AFP.

O governo aposta todas as fichas na vacinação, iniciada em 1º de março e que avança em um ritmo bom.

"Em meados de julho teríamos que ter dois milhões de uruguaios com as doses das vacinas", disse Lacalle Pou.

"Teremos uma forte diminuição da circulação e da presença do vírus", acrescentou.

Até esta terça-feira, 52% da população já receberam ao menos uma dose dos imunizantes da Sinovac, Pfizer ou AstraZeneca. Vinte e nove por cento estão completamente imunizados.

Últimas