Internacional Vândalos tentam incendiar Palácio de Justiça na Colômbia

Vândalos tentam incendiar Palácio de Justiça na Colômbia

Ataque com fogo também tinha como alvo prédio usado para armazenar vacinas contra a covid-19 na cidade de Facatativá

População da Colômbia protesta contra o presidente de Iván Duque há 1 mês

População da Colômbia protesta contra o presidente de Iván Duque há 1 mês

Ernesto Guzmán Jr/EFE

Um grupo de vândalos tentou incendiar na madrugada deste domingo (30) o Palácio de Justiça e um edifício onde estavam armazenadas doses de vacinas contra a covid-19 na cidade colombiana de Facatativá, no departamento de Cundinamarca.

Colômbia: entenda o que está por trás das manifestações no país

"Queriam vandalizar o Palácio de Justiça e um prédio da Prefeitura onde, entre outras coisas, estavam armazenadas vacinas contra a covid-19 para a população de Facatativá", informou o governador de Cundinamarca, Nicolás García Bustos.

Em vídeos publicados em redes sociais, é possível ver nas fachadas do edifício as chamas originadas pelas bombas e a fumaça saindo dos andares superiores. O fogo não provocou danos estruturais como no Palácio de Justiça da cidade de Tuluá, que foi incendiado na terça-feira passada.

O governador explicou que os vândalos não deixaram os bombeiros passarem, motivo pelo qual o Exército foi acionado.

"Insistimos, o caminho do diálogo encontrará sempre em nós um interlocutor. Ontem, não houve Esmad (esquadrão antidistúrbios) na cidade, não houve confronto. Foram atos unilaterais para vandalizar edifícios públicos", disse Garcia.

Juntamente com Cali, epicentro dos protestos e onde 14 pessoas morreram e 98 ficaram feridas - 54 por tiros - nos confrontos de sexta-feira, segundo a ONU, as cidades de Madri e Facatativá, ambas em Cundinamarca, também passaram a contar com reforço militar desde sábado.

O presidente da Colômbia, Iván Duque, ordenou "o maior destacamento" de "assistência militar" na noite de sexta-feira, quando o país completou um mês de protestos que deixaram 60 mortos de acordo com organizações sociais e 43 de acordo com o Ministério Público.

Fortes confrontos ocorreram em várias partes do país entre as forças de segurança e os manifestantes na sexta-feira, inclusive cenas de civis armados disparando contra os manifestantes em meio a inação policial.

Em Madri e Facatativá, dois municípios perto de Bogotá, também houve distúrbios na sexta-feira, incluindo ataques da polícia a jornalistas na primeira e uma tentativa de queimar instalações da polícia na segunda.

"Situações como as que ocorreram em Facatativá não têm nenhuma justificativa e exigem a intervenção imediata das forças de segurança", disse o governador de Cundinamarca sobre os ataques desta madrugada.

Últimas