Novo Coronavírus

Internacional Venezuela começa a aplicar vacina Sputnik V em profissionais de saúde

Venezuela começa a aplicar vacina Sputnik V em profissionais de saúde

Enfermeiros e outros profissionais começaram a receber a primeira dose do imunizante russo

  • Internacional | Do R7

Governo venezuelano está aplicando a vacina russa Sputnik V

Governo venezuelano está aplicando a vacina russa Sputnik V

Yuri Cortez / AFP - 13.2.2021

As autoridades venezuelanas começaram a fornecer na quinta-feira (18) a primeira dose da vacina russa contra a covid-19, a Sputnik V, aos profissionais de saúde do país e estabeleceram a meta de imunizar 70% da população até o final do ano.

Leia também: Sanções dos EUA agravaram calamidades na Venezuela, diz ONU

Glendys Rivero, uma médica cirurgiã de 37 anos de Los Teques, Miranda, foi a primeira venezuelana a receber a vacina.

O país sul-americano recebeu 100 mil doses da Sputnik V no sábado, das 10 milhões que encomendou.

“Estamos iniciando esta primeira fase de imunização com o pé direito, nesta luta contra a pandemia e pela defesa da saúde do povo”, escreveu no Twitter o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

As primeiras vacinas foram aplicadas nesta quinta nos estados de La Guaira e Miranda, além da capital Caracas, onde está prevista a imunização de 11 mil profissionais de saúde. Eles terão que esperar 21 dias para receber a segunda dose.

A televisão estatal VTV mostrou imagens de outros médicos e enfermeiras que receberam a vacina russa em três hospitais públicos do país.

“Essa etapa, que levará duas semanas, se estenderá a todo o território nacional”, disse a vice-presidente Delcy Rodríguez na cerimônia oficial de lançamento do plano de vacinação.

A primeira fase inclui também policiais e militares, bem como deputados do Parlamento da maioria chavista e outras autoridades.

Os idosos, entre a população mais vulnerável, não foram mencionados no plano anunciado quarta-feira por Maduro, que prevê a vacinação em massa até abril.

O ministro da Saúde, Carlos Alvarado, estimou, por sua vez que até o final de 2021 se espera alcançar "70% de imunização da população venezuelana, que é a meta de vacinação que temos para conseguir uma possível imunidade de rebanho e dar a estocada a esta pandemia".

Combinação de vacinas

O país, que participou dos ensaios clínicos da Sputnik V, investiu US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) nas 10 milhões de doses "que devem chegar durante este quadrimestre de forma progressiva", informou Maduro nesta quarta.

A Venezuela também está entre os 37 países da América Latina e Caribe que receberão vacinas anticovid por meio do sistema Covax, promovido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para garantir a distribuição equitativa dos imunizantes contra o coronavírus pelo mundo.

O órgão regional da OMS, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), pediu à Venezuela um adiantamento de 18 milhões de dólares para garantir uma reserva de 1,4 a 2,4 milhões de doses de AstraZeneca, no âmbito do Covax.

O governo de Maduro negocia para ter acesso a recursos no exterior que estão bloqueados e cujo controle está nas mãos do líder oposicionista Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cinquenta países.

Maduro evocou a possibilidade de obter uma "combinação" de vacinas, incluindo chinesa e cubana, esta ainda em fase de testes.

Com quase 30 milhões de habitantes, a Venezuela tem 134.319 casos confirmados e 1.297 mortes por covid-19, segundo dados oficiais, questionados por organizações como a Human Rights Watch.

Últimas