Internacional Venezuela denuncia violação de seu espaço aéreo pelos EUA

Venezuela denuncia violação de seu espaço aéreo pelos EUA

Avião cargueiro norte-americano teria sido identificado pelo exército venezuelano na região da fronteira com a Colômbia

Presidente da Venezuela, Nicola Maduro

Presidente da Venezuela, Nicola Maduro

Handout / Venezuelan Presidency / AFP

O governo venezuelano denunciou nesta sexta-feira (23) que um avião cargueiro norte-americano violou seu espaço aéreo em sua fronteira com a Colômbia, o que considerou uma "provocação".

A incursão da aeronave, "tipo C-17 de transporte militar pesado" foi registrada na quinta-feira à noite durante "um intervalo de três minutos (...), fazendo um trajeto de aproximadamente 14 milhas náuticas sobre a área mais ocidental da Serra de Perijá, estado de Zulia", informou em um comunicado o ministério da Defesa.

"Esta flagrante provocação ocorre no âmbito de exercícios militares combinados desenvolvidos pela Força Aérea e o Exército colombianos nos Departamentos de Antioquia e Cundinamarca, respectivamente, nos quais também há presença de aviões caça americanos F-16 e RC135 de exploração estratégica", acrescentou o texto.

A Força Aérea Colombiana informou em 16 de julho sobre exercícios de treinamento militar combinado com os Estados Unidos "com o objetivo de melhorar a interoperabilidade com países aliados".

"Temos conhecimento que como parte dos pré-citados exercícios estão sendo executadas tarefas de reconhecimento do espaço geográfico venezuelano, razão pela qual não descartamos outras possíveis ações hostis atentatórias contra nossa soberania e integridade territorial", denunciou a Venezuela.

O presidente Nicolás Maduro "deu ordens precisas de permanecer alerta e responder de forma contundente a qualquer ato de agressão", acrescentou o texto.

O ministério da Defesa destacou que ao longo deste ano, "aeronaves americanas violaram 21 vezes a Região de Informação de Voo (FIR) de Maiquetía [La Guaira, norte], comportando esta uma grave violação das normas internacionais de aeronáutica".

Segundo as autoridades venezuelanas, os aviões que passam pela região de informação de voo são obrigados a se comunicar com a torre de controle do aeroporto.

A Venezuela não tem relações diplomáticas com os Estados Unidos e a Colômbia, país com o qual compartilha uma porosa fronteira de mais de 2.200 km.

As relações com os dois países são tensas desde o governo do falecido presidente Hugo Chávez, mas se intensificaram depois que Washington e Bogotá reconheceram o líder opositor Juan Guaidó como presidente, após considerar que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudulenta.

Maduro denuncia constantemente planos dos governos destes dois países, seus principais adversários internacionais, para assassiná-lo ou derrubá-lo.

Últimas