Crise na Venezuela
Internacional Venezuela expulsa parlamentares europeus que visitariam Guaidó

Venezuela expulsa parlamentares europeus que visitariam Guaidó

Representantes do Parlamento Europeu fariam visita diplomática ao governo e à oposição, mas foram impedidos de entrar no país neste domingo (17)

Venezuela expulsa parlamentares europeus que visitariam Guaidó

Parlamentares retornaram à Espanha nesta segunda (18)

Parlamentares retornaram à Espanha nesta segunda (18)

Nico Rodriguez / EFE - 18.2.2019

A Venezuela expulsou no domingo uma missão de europarlamentares que iria visitar o país e sustentar várias reuniões, entre elas uma com o chefe do Parlamento, Juan Guaidó, o que gerou condenação de Espanha e França.

"Naturalmente queríamos que eles visitassem o país e condenamos a atitude do Governo da Venezuela, do senhor Maduro, do Governo que como sabem é questionado", indicou Josep Borrell à imprensa em sua chegada a um Conselho de ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE).

A comissão que viajou para a Venezuela era integrada por Esteban González Pons, porta-voz da delegação espanhola do Partido Popular no Parlamento Europeu (PE); Esther de Lange, vice-presidente do Grupo do Partido Popular Europeu (PPE) e Paulo Rangel, vice-presidente do Grupo PPE e tesoureiro, entre outros.

"Protestamos energicamente pelas condições nas quais foram expulsos hoje cinco deputados europeus na Venezuela", disse por sua parte Jean-Yves Le Drian.

Espanha defende solução negociada para Venezuela

Borrell explicou que esteve em contato com o embaixador espanhol em Caracas, que "cumpriu com todos os pedidos do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela para facilitar a entrada destes parlamentares".

"Infelizmente, não tivemos o resultado esperado e a última notícia é que não puderam entrar", afirmou.

De qualquer forma, o chefe da diplomacia espanhola considerou que "há temas a respeito da situação na Venezuela que talvez sejam mais importantes".

O ministro espanhol deixou claro que a situação na Venezuela "não pode ser resolvida mediante uma intervenção militar estrangeira".

"Sabemos que a via da pressão política, do diálogo, da atuação como a UE está fazendo, que tenta provocar uma mudança sem provocar um enfrentamento que seria catastrófico, é o caminho a seguir", enfatizou.