Crise na Venezuela

Internacional Venezuela recebe meio milhão de doses de vacina da China

Venezuela recebe meio milhão de doses de vacina da China

Com remessa, autoridades esperam poder incluir professores em lista de vacinação; imunizante é o segundo aprovado no país

  • Internacional | Da EFE, com R7

Venezuela recebe meio milhão de doses de vacina chinesa

Venezuela recebe meio milhão de doses de vacina chinesa

Andrej Cukic/EFE

A Venezuela recebeu meio milhão de doses da vacina covid-19 da China na segunda-feira (1), poucas horas depois que o governo autorizou o uso do imunizante da Sinopharm, feito no país asiático, informou o presidente Nicolás Maduro.

“É com grande alegria que informo que, neste momento, estão chegando à Venezuela 500 mil doses de vacinas contra covid-19 da República Popular da China. Notícia maravilhosa que nos enche de grandes esperanças. Em breve iniciaremos a vacinação em massa de nosso povo”, escreveu no Twitter o presidente Nicolás Maduro.

O presidente acompanhou a mensagem com a foto de um avião da companhia aérea estatal venezuelana Conviasa, mas não detalhou qual vacina chegou à Venezuela entre as diferentes fabricadas na China.

Maduro agradece China

Em outra mensagem, ele agradeceu "em nome do povo da Venezuela", o Presidente da China, Xi Jinping, "por seu firme espírito de cooperação e solidariedade" para com o país latino.

“A vacina chinesa vai reforçar o processo de imunização que iniciamos no país”, frisou.

Poucas horas antes de o avião pousar, Maduro havia anunciado a autorização da Sinopharm para imunizar a população de seu país contra o covid-19, tornando-se assim a segunda vacina aprovada, depois da russa Sputnik V.

"A Venezuela aprovou o uso da vacina chinesa Sinopharm para imunizar o povo venezuelano contra covid-19. Graças à cooperação China-Venezuela, cuidamos da saúde e da vida de nosso povo", disse o Ministério da Saúde pelo Twitter.

Em outubro do ano passado, o presidente Maduro havia indicado que uma das quatro vacinas chinesas que estavam sendo desenvolvidas na época seria testada na Venezuela, embora ele não tenha especificado qual delas seria.

Nessa época, as vacinas chinesas da Sinovac, Sinopharm, do Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan e Cansino Biologics estavam em testes clínicos.
O presidente prometeu que, assim que os testes forem aprovados, a vacina será aplicada na população "gratuitamente".

Doação chinesa

No aeroporto de Maiquetía, que atende Caracas, a vice-presidente executiva, Delcy Rodríguez, recebeu o avião em que as vacinas chegaram e destacou que se trata de uma doação da China que "se soma ao plano de vacinação da Venezuela".

“Um plano em que priorizamos o setor saúde e, com essas vacinas, continuaremos a atender a esse setor tão especial que está na vanguarda da batalha contra a cobiça”, frisou.

Com as doses recebidas da China, esclareceu, os professores podem ser incorporados ao plano de vacinação antes que os alunos voltem às escolas no próximo mês de abril.

“Também abordaremos o pessoal de segurança. A doação do governo chinês à Venezuela é muito importante”, acrescentou.

No avião também chegaram "insumos para o ataque ao covid-19", além de testes de PCR, remédios e outros produtos para hospitais, disse.

Em 17 de fevereiro, Maduro indicou que esperava iniciar a vacinação em massa da população em abril e ter as vacinas da Rússia, China, Cuba e Covax, uma iniciativa de colaboração global que visa acelerar o desenvolvimento de tratamentos, testes e vacinas. 19 métodos de prevenção.

Sua declaração veio após a chegada das primeiras 100 mil doses da Sputnik V na Venezuela, de um total de dez milhões acertado com a Rússia, e a essa altura indicou que o Instituto Nacional de Higiene estava avaliando o restante das vacinas.

Desde o início da pandemia, a Venezuela mantém aberta uma ponte aérea com a China, por meio da qual chegaram medicamentos e equipamentos de proteção para atender à crise de saúde derivada da pandemia.

Últimas