Rússia x Ucrânia

Internacional Vladimir Putin admite escassez e aumento de preço de alguns medicamentos na Rússia

Vladimir Putin admite escassez e aumento de preço de alguns medicamentos na Rússia

Apesar de sanções internacionais não abrangerem o setor, remédios são indiretamente afetados pela guerra na Ucrânia

Agência EFE

Resumindo a Notícia

  • Presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu que o país sofre com a escassez de remédios
  • Com menor opção de medicamentos, preços em farmácias dispararam
  • Produção de medicamentos próprios aumentou 15% no país entre 2021 e 2022
  • Remédios não sofreram sanções, mas setor sente indiretamente as barreiras internacionais
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião com membros do governo

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião com membros do governo

Mikhael Klimenteyev/Sputnik/Kremlin/EFE/EPA - 24.1.2023

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu nesta terça-feira (24) a escassez de certos medicamentos nas farmácias russas, assim como o aumento dos preços, apesar de o país estar produzindo mais remédios próprios.

"Os preços no nosso país cresceram ultimamente e houve certa escassez de alguns medicamentos, apesar de estarmos vivenciando um aumento da produção de produtos farmacêuticos", disse o chefe do Kremlin em uma reunião por teleconferência com membros do governo.

Nesse sentido, garantiu que 60% do mercado farmacêutico “já são medicamentos nacionais”, com base no resultado de um controle aleatório em redes de varejo e farmácias.

O presidente russo sustentou ainda que a Rússia não proíbe a importação de medicamentos e que trabalha com fabricantes estrangeiros, dos quais "muitos continuam esta cooperação como de costume".

“Mas alguns deles suspenderam a pesquisa, como vemos, e por isso é muito importante aumentar os nossos próprios esforços”, salientou.

As sanções ocidentais excluem medicamentos e equipamentos médicos, mas a chegada à Rússia é dificultada por barreiras em transporte, seguros e bancos.

O chefe do comitê executivo do movimento pró-governo Frente Popular, Mikhail Kuznetsov, disse que recebe denúncias constantes sobre a impossibilidade de comprar medicamentos que exigem receita, como os antibióticos de marca estrangeira Amoxiclav e Suprax, o antitérmico Nurofen e medicamentos oncológicos como o Tamoxifeno.

O ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, explicou a Putin que os preços da lista de medicamentos vitais e essenciais aumentaram 1,9% em 2022, enquanto os de outros medicamentos subiram 10%, abaixo da taxa de inflação, 11,94%.

Murashko destacou ainda que a produção russa de remédios aumentou mais de 15% em relação a 2021, conforme indicou o ministro da Indústria e Comércio, Denis Manturov.

Conheça o Leopard 2, tanque amplamente desejado pela Ucrânia

Últimas