Guerra civil na Síria: veja a cobertura completa
Internacional Voz do Daesh revela sua identidade: "Não me arrependo do que fiz"

Voz do Daesh revela sua identidade: "Não me arrependo do que fiz"

Ele saiu da Arábia Saudita ainda criança, para morar no Canadá, antes de ingressar no grupo, e foi preso no mês passado por milícia apoiada pelos EUA

voz, daesh, identidade, guerra síria

Daesh está perto de derrota na Síria

Daesh está perto de derrota na Síria

Toni Albir/EFE/04-11-15

Com um inglês fluente, dotado até de sotaque americano, um narrador intrigava o público ao descrever as cenas mórbidas de execução realizadas pelo Daesh. Falava em nome do Daesh e, nas narrações, passava a mensagem de terror, dentro da estratégia do grupo.

Leia mais: Califado do Daesh está prestes a ser derrotado na Síria

O The New York Times, neste domingo (17), em texto de Rukmini Callimachi, trouxe a informação de que este homem foi descoberto após, há mais de quatro anos, o Federal Bureau of Investigation ter pedido inclusive o auxílio do público para decifrar de quem era aquela voz.

E ela é atribuída a Mohammed Khalifa capturado na Síria no mês passado por uma milícia apoiada pelos EUA, que saiu da Arábia Saudita ainda criança, para ir morar no Canadá. Cidadão canadense, de 35 anos, ele admitiu ser o narrador, em entrevista ao jornal.

Foi ele quem fez o áudio do famoso vídeo "Flames of War" ("Chamas da Guerra"), com montagens de imagens de explosões e tiros, alguns contra soldados dos EUA, em 2014.

Preso na Síria no mês passado, por uma milícia apoiada pelos EUA, Khalifa se diz um funcionário a serviço do Ministério da Mídia do Daesh. E se mostrou orgulhoso de seu trabalho.

"Não, eu não me arrependo. Os que me interrogaram também me perguntaram isso e eu lhes disse a mesma coisa.”

Ele narrava para dar a impressão de que os humanos ouviam seus próprios fantasmas falando.

A estratégia do Daesh era justamente esta: fazer as pessoas se aterrorizarem com as mensagens, potencializando seus próprios terrores internos.

Tecnologia da informação

Por outro lado, o grupo queria instigar o ódio em jovens revoltados e atraí-los para o grupo, por meio de sua propaganda.

Mas o Daesh está prestes a ser derrotado na Síria, perdendo seu último reduto, na vila de Baghouz, perto da fronteira com o Iraque, país no qual também perdeu praticamente todos os seus territórios conquistados.

O texto conta que Khalifa trabalhou em tecnologia da informação em uma empresa contratada pela IBM no Canadá, onde diz ter estudado tecnologia de sistemas de computadores, antes de ir para a Síria.

Charlie Winter, pesquisador do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização no King's College de Londres, confirmou a autenticidade da voz, ao analisar o vídeo "Flames of War".

"Sua voz é a voz mais conhecida de língua inglesa que já apareceu na propaganda do Daesh", disse.

O The Times confirmou a autoria com a análise de três especialistas que, mesmo não garantido a infalibilidade do reconhecimento, afirmam ser muito provável que a voz seja mesmo de Khalifa.

Veja a galeria - Daesh: aplicativo atrai e causa a prisão dos 5 principais líderes