Estados Unidos

Internacional Washington, DC processa envolvidos na invasão do Capitólio

Washington, DC processa envolvidos na invasão do Capitólio

Governo da cidade apresentou uma ação contra dois grupos de extrema direita por envolvimento na ação violenta de 6 de janeiro

AFP
Grupos de extrema direita serão processados pela invasão do Capitólio em janeiro

Grupos de extrema direita serão processados pela invasão do Capitólio em janeiro

Shannon Stapleton/Reuters - 06.01.2021

O governo da cidade de Washington apresentou uma ação nesta terça-feira (14) contra dois grupos de extrema direita por seu papel na violenta invasão ao Capitólio, em 6 de janeiro, por partidários do então presidente Donald Trump.

A ação civil acusa as organizações Proud Boys, Oath Keepers e mais de 30 pessoas associadas a esses grupos de "conspirar para aterrorizar" a capital americana, disse o procurador-geral do Distrito de Columbia, Karl Racine.

O objetivo é "desestimular futuros atos de violência" e compensar as vítimas, inclusive os policiais da capital americana, declarou.

A maioria das pessoas citadas na ação já é alvo de processos penais federais e poderá ser levada a julgamento nos próximos meses.

A ação se baseia em uma lei promulgada em 1871 para proteger os direitos dos afro-americanos após a abolição da escravatura, em 1865, em particular contra grupos extremistas como a Ku Klux Klan.

Nas décadas de 1980 e 1990, os processos apresentados nesse contexto por ativistas antirracistas puseram de joelhos várias organizações extremistas, obrigadas a ceder suas propriedades para pagar indenizações estabelecidas pelos tribunais.

Em novembro, personalidades e organizações de extrema direita nos Estados Unidos foram obrigadas a pagar mais de 25 milhões de dólares às vítimas de um protesto que organizaram em Charlottesville, em 2017, e que terminou em tragédia.

Em fevereiro, o congressista democrata Bennie Thompson já tinha apresentado uma ação civil contra os Proud Boys e os Oath Keepers, assim como contra o ex-presidente Donald Trump e seu advogado, Rudy Giuliani, por seu papel no ataque ao Capitólio.

Mas, "esta é a primeira vez que um governo local" tenta obter uma reparação, disse Racine.

Segundo a ação, "o atentado de 6 de janeiro foi um ato coordenado de terrorismo doméstico" e a cidade de Washington foi obrigada "a enfrentar as consequências" desse ataque.

Os seguidores de Trump que invadiram o Capitólio tentavam impedir a certificação da vitória eleitoral do presidente Joe Biden.

Últimas