China

Yahoo anuncia o fim de suas atividades na China

Portal de buscas norte-americano cita 'o ambiente comercial e jurídico cada vez mais difícil' no país para justificar a decisão

AFP
Yahoo

Yahoo

Reuters/Dado Ruvic

O site de buscas norte-americano Yahoo, um dos mais populares nos primórdios da internet, anunciou nesta terça-feira (2) o fim de suas atividades na China, num momento em que o país asiático aumenta a pressão sobre o setor digital.

Leia também: EUA suspendem operações da China Telecom no país

O Yahoo "não está disponível na China continental" a partir de 1º de novembro, disse o grupo em um comunicado.

O Yahoo lançou seu mecanismo de busca no país em 1999, apostando no crescimento de um grande mercado emergente na época em que a Internet ainda engatinhava na China.

O gigante asiático é hoje um dos países mais conectados do mundo com empresas locais particularmente dinâmicas e inovadoras.

Questionado pela AFP, um porta-voz do Yahoo justificou a decisão citando "o ambiente comercial e jurídico cada vez mais difícil na China".

O Yahoo reduziu drasticamente sua presença na China desde o fechamento de seu serviço de mensagens em 2013.

A empresa americana é a última de uma lista de grupos internacionais a deixar o mercado chinês.

No mês passado, a rede social profissional LinkedIn, da Microsoft, também anunciou sua saída da China devido a um "ambiente difícil".

Em nome da "estabilidade", as autoridades chinesas removem da rede temas politicamente sensíveis e exigem aos gigantes da Internet que bloqueiem conteúdo indesejado.

Recusando-se a cumprir as exigências de Pequim, as redes sociais americanas Facebook, Twitter, Instagram e YouTube, a enciclopédia participativa Wikipedia, assim como várias mídias estrangeiras são totalmente bloqueadas na China por uma "grande muralhas informática" erguida pelos censores do regime.

Últimas