Logo R7.com
Logo do PlayPlus
JR 24H
Publicidade

Veja os perigos das enchentes para a saúde

Contato com água contaminada traz diversas preocupações à saúde pública

Conteúdo Exclusivo|Do R7


Moradores de cidades na Região Metropolitana de Porto Alegre (RS) ainda precisam lidar com toneladas de entulho nas ruas depois das enchentes. Nesse cenário, a exposição e o contato com águas contaminadas em eventos naturais, como enchentes, trazem diversas preocupações à saúde pública.

Durante eventos com excesso de chuvas, pode haver a transmissão de doenças relacionadas ao consumo de água ou alimentos contaminados, acidentes com animais peçonhentos, além de outras questões relacionadas às condições sanitárias.

O descarte incorreto de resíduos é um dos principais fatores que contribuem para a ocorrência desses eventos. Embalagens soltas e sacos de lixo descartados de forma inadequada pela população acabam sendo arrastados pelas chuvas para os bueiros e se acumulam na entrada do sistema de drenagem, bloqueando o escoamento da chuva e até entupindo as tubulações. Como resultado, a água fica incapaz de ser escoada, provocando alagamentos.

O Jornal Da Record mostra os riscos e cuidados com a saúde em situações de enchentes. Acompanhe!

Publicidade
Falta de saneamento e descarte incorreto do lixo contribuem para as enchentes

Em casos de enchentes, a população deve estar atenta a algumas questões de saúde, que devem ser observadas:

Leptospirose

Publicidade

A doença bacteriana é encontrada na urina do rato e é transmitida através do contato com nariz, olhos, boca ou pele. Em inundações, a urina contaminada pode se misturar com a água ou lama da enchente, aumentando o risco da doença.

Para evitar o contato com a água contaminada, é importante cobrir cortes ou arranhões com bandagens à prova d’água, não andar descalço e usar luvas e sapatos impermeáveis. Além disso, não nadar, tomar banho ou ingerir água que possa estar contaminada por causa da enchente.

Publicidade

Hepatite A

A Hepatite A é uma doença causada por um vírus que pode ser transmitido pela ingestão de água ou alimentos contaminados com esgoto ou dejetos humanos, situação comum em enchentes. Os primeiros sintomas costumam ser mal estar, dores no corpo, náuseas, dor abdominal, vômitos, olhos e pele amarelados, urina bem escura e fezes claras.

A vacina contra a doença está disponível no SUS. De acordo com O Programa Nacional de Imunizações (PNI), ela deve ser aplicada em crianças entre 15 meses e antes de completar 5 anos de idade. Excepcionalmente, em situações de enchentes, o imunizante é aplicado em adultos.

Urina contaminada de ratos pode se misturar com água das enchentes

Acidentes com animais peçonhentos

Durante períodos de fortes chuvas, pode acontecer o desalojamento de animais peçonhentos, como aranhas, serpentes e escorpiões, que saem de seus esconderijos em busca de locais secos. Para evitar acidentes, é importante estar atento aos locais com entulhos, empilhamento de madeira, tijolos, telhas e na remoção da lama.

Caso ocorra contato com algum desses animais, lave o local da ferida com água e mantenha a vítima sentada ou deitada. O ideal é levá-la ao serviço de saúde mais próximo para que ela possa receber atendimento.

Tétano acidental

Pode ocorrer através de contaminação de ferimentos de pele ou em mucosas com terra, poeira, fezes de animais ou humanos que contém esporos da bactéria que ocasiona a doença. As lesões podem ser provocadas pelo contato com entulhos e destroços e, consequentemente, o adoecimento por tétano acidental.

O período de incubação da doença varia em média de 3 a 21 dias. Para se prevenir, é importante tomar algumas medidas como não andar descalço e usar luvas e sapatos impermeáveis.

Além das doenças citadas, a população deve estar atenta em relação a outras questões que podem ser provocadas ou agravadas pelas inundações, como as condições sanitárias em abrigos, doenças relacionadas à higiene pessoal e alimentar precárias, ocorrência de choques elétricos, problemas respiratórios e alergias relacionadas à presença de umidade e mofo no ambiente e mais.

Fonte: Secretaria de Saúde do Governo do Rio Grande do Sul e R7.








Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.