Autoridades investigam possível caso de assédio que terminou em morte em um quartel da PM em SP

O capitão da PM, Marcos Honda, foi enterrado na tarde de hoje (13), em São Paulo, numa cerimônia rápida. Honda, que era dentista da Polícia Militar, foi morto durante o expediente. Quem fez os disparos foi a cabo Merlyn Aparecida Cruz. Ela deu dois tiros contra o capitão Honda. Merlyn trabalhava como assistente do dentista no batalhão. Antes do crime, ela teria se queixou aos superiores sobre o comportamento de Marcos e disse que sofreu assédio sexual no consultório.

Confira nas multiplataformas do Jornal da Record os quatro boletins diários que vão ao ar também na Record TV e ainda uma versão exclusiva para o digital.