Braço direito dos chefes da maior organização criminosa do Brasil está em liberdade

Ele é conhecido pelos serviços de segurança por ser o homem de confiança de dois megatraficantes: Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, e Wellington Xavier dos Santos, o Capuava. Valter Lima Nascimento, o Guinho, exibe um histórico intrigante de benefícios em decisões da Justiça. Preso em 2014 com 400 quilos de cocaína e condenado, em 2016, a 20 anos de prisão, Guinho foi beneficiado por mais uma. No último dia 14 de abril uma liminar do ministro Marco Aurélio Mello, do STF, o colocou em liberdade. A decisão foi tomada apenas um dia depois da prisão do líder da organização criminosa, Fuminho, em Moçambique, numa operação comandada pelo delegado da Polícia Federal, Elvis Secco.

Confira nas multiplataformas do Jornal da Record os quatro boletins diários que vão ao ar também na Record TV e ainda uma versão exclusiva para o digital.