Lorena Cientistas reconstroem digitalmente rosto de múmia egípcia grávida

Cientistas reconstroem digitalmente rosto de múmia egípcia grávida

Lorena - Notícias
Cientistas reconstroem digitalmente rosto de múmia egípcia grávida

Cientistas reconstroem digitalmente rosto de múmia egípcia grávida

Lorena - Notícias

As reconstruções foram feitas a partir de estudos forenses, e indicam que a mulher estava grávida de aproximadamente 28 semanas de gravidez e teria morrido de câncer por volta dos 20 anos de idade.

O Projeto Múmia de Varsóvia, formado por um grupo de cientistas conseguiu reconstituir digitalmente o rosto de uma múmia egípcia, a única múmia grávida que se conhece. Foram feitas duas reconstituições a partir de estudos forenses e antropológicos.

Esa tecnologia é utilizada pelo Museu Nacional de Varsóvia, na Polônia, para análise da sua coleção desde 2015. A Senhora Misteriosa, como os cientistas estão chamando a múmia, teve as imagens de reconstrução de seu rosto divulgadas em uma post no Facebook do projeto.

De acordo com os pesquisadores tomografias computadorizadas e raios-X contribuíram no processo, que resultou em duas imagens semelhantes.

Lorena - Notícias

Lorena - Notícias

Lorena - Notícias

Créditos: Ejsmond et al., J. Archaeol. Sei., 2021

As duas reconstituições mostram que a famosa múmia grávida que morreu em meados do século 1 a.C. tinha cabelos escuros-ondulados, olhos castanhos e pele negra.

“Nossos ossos e o crânio em particular fornecem muitas informações sobre o rosto de um indivíduo", explicou a antropóloga forense italiana e integrante do projeto Chantal Milan.

Segundo ela “Embora não possa ser considerado um retrato exato, o crânio, como muitas partes anatômicas, é único e mostra um conjunto de formas e proporções que aparecerão parcialmente na face final”.

O apelido de A Senhora Misteriosa foi dado porque a múmia tem uma origem incerta, o que motivou a alcunha.

Anteriormente, os cientistas pensavam que a múmia fora trazida para a Polônia em meados de 1826 e que teria sido na verdade um sacerdote.

No entanto, a principal teoria atual aponta que a múmia se trata de uma mulher jovem, com 20 anos de idade, 28 semanas de gravidez e sua morte ocorreu muito provavelmente por conta de um câncer.

Mesmo com essas novas informações, o local de descoberta da múmia assim como o itinerário que ela percorreu até a Polônia ainda são desconhecidos. Sabe-se apenas que ela foi doada por um pesquisador polonês que afirmava que a encontrou na antiga cidade egípcia de Tebas.

A exposição que exibe essas reconstruções faciais foi aberta ao público este mês de novembro no Silesia Museum, localizado na cidade polonesa de Katovice, e continuará até março de 2023.

Últimas