Minas Gerais Adolescente denuncia ex-marido de 64 anos por agressão em MG

Adolescente denuncia ex-marido de 64 anos por agressão em MG

Jovem de 16 anos foi casada durante quatro meses com um ex-cônsul honorário de Moçambique em Vespasiano, na Grande BH

  • Minas Gerais | Shirley Barroso, da Record TV Minas

A Polícia Civil em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte, investiga uma denúncia de agressão contra uma adolescente de 16 anos. O suspeito é o ex-marido dela, de quem está separada há pouco mais de um mês. O homem tem 64 anos é já foi cônsul honorário de Moçambique na cidade.

O boletim de ocorrência foi registrado pela Segunda Delegacia de Vespasiano. Nele, a adolescente afirma que foi agredida por Deusdete Januário Gonçalves. O caso foi enviado para a Delegacia da Mulher. Nesta sexta-feira (26), a delegada responsável pela unidade tentou conversar com a jovem, mas não conseguiu devido ao nervosismo da menor. A polícia aguarda o depoimento para avançar no caso.

Conselho Tutelar acompanha o caso

Conselho Tutelar acompanha o caso

Reprodução / Record TV Minas

Em entrevista à reportagem, Gonçalves negou o crime. O homem relatou que a menor teria ido até a casa dele e tentado destruir o portão do imóvel. Um boletim de ocorrência indica que adolescente teria danificado o carro do ex-marido após uma briga. O relato consta que um funcionário do ex-cônsul foi quem chamou a polícia.

— Eu não tenho preocupação nenhuma porque não fiz nada de ilegal. Ela [a jovem] toma remédios controlados e não havia tomado o remédio no dia.

Desde o final do ano passado, o Conselho Tutelar acompanha a situação da menina que teve autorização dos pais para se casar como o idoso. O casamento deles durou apenas quatro meses.

— Eu só descobri depois que ela tinha estes problemas, mas eu continuo com boa relação com a família porque eu cuidei dela.

O homem ainda contou à reportagem que conheceu a menor enquanto avaliava um terreno para comprar na cidade de Alvorada de Minas, a 210 km de Belo Horizonte.

— Fomos na casa desta família e eu brinquei com o pai dela [da adolescente] que eu casaria com ela. Eu vim embora e, em seguida, o pai dela me ligou para perguntar se era verdade. Eu disse que sim, se ele autorizasse.

O Conselho Tutelar da cidade acompanhou a ocorrência sobre a agressão e decidiu, junto com a Polícia Civil, abrigar a adolescente em uma casa de acolhimento até que tudo seja apurado. O Ministério Público e a Justiça, em Vespasiano, já foram comunicados sobre o caso.

Últimas