Alerta de surtos gera corrida por vacinas em Brumadinho

Fiocruz alertou sobre risco de aumento de dengue, febre amarela e outras doenças infecciosas; Veículo fumacê continua percorrendo a cidade

Joana Dark tomou a vacina para Hepatite A

Joana Dark tomou a vacina para Hepatite A

Paulo Henrique Lobato/ R7 Minas

Moradora de Córrego do Feijão, lugarejo de Brumadinho parcialmente soterrado pelo rompimento da barragem da Vale, dona Joana Dark Pinto, de 58 anos, acordou cedo nesta quarta-feira (6) para ir se vacinar contra doenças que podem ser causadas pela lama com rejeitos de minério.

— Entrei no barro para salvar minha filha e meu netinho, de 6 meses. Consegui retirá-los do sítio em que ela trabalhava. Tomei uma vacina para Hepatite A.

Leia também: Morte de advogada pode acabar com time xodó de Córrego do Feijão

Mais de 180 moradores do lugarejo já foram ao posto de saúde, atendendo recomendação da Fiocruz. Na terça-feira (5), a Fundação alertou para o risco de surtos de dengue, febre amarela e outras doenças no caminho da lama.

Ana Maria também foi se vacinar pela manhã

Ana Maria também foi se vacinar pela manhã

Paulo Henrique Lobato/ R7 Minas

Dona Ana Maria dos Santos, de 64, também se preveniu contra as doenças.

— Não quero passar mal. Essa lama fez muitos estragos. Perdi um sobrinho, que trabalhava na Vale.

A médica Janaína Santos, que faz atendimento voluntário no povoado, conta que equipes de saúde também estão visitando famílias em casa.

— Muitas pessoas, deprimidas, não estão saindo do lar. 

O veículo fumacê continua percorrendo diariamente o lugarejo. O serviço foi contratado pela Vale a pedido da prefeitura.

R7