Minas Gerais Após ataque, escola no Vale do Jequitinhonha têm aulas suspensas

Após ataque, escola no Vale do Jequitinhonha têm aulas suspensas

Secretaria de Educação acompanha situação de alunos, pais e funcionários da escola estadual onde um estudante disparou contra colegas

Dois estudantes ficaram feridos durante ataque

Dois estudantes ficaram feridos durante ataque

Reprodução / Redes socais

A Secretaria de Estado de Educação suspendeu nesta sexta-feira (8) as aulas na Escola Estadual Orlando Tavares, localizada na zona rural de Caraí, no Vale do Jequitinhonha, a 540 km de Belo Horizonte. Durante as aulas desta quinta-feira (7), um aluno pulou o muro da escola e disparou contra outros estudantes

Em nota, a pasta disse lamentar o episódio e que se solidariza com as famílias dos dois alunos que ficaram feridos. Um deles foi transferido para um hospital em Teófilo Otoni, cidade-pólo localizada a 100km da cidade. Outro está em observação em uma unidade de saúde de Padre Paraíso. 

Segundo a Secretaria de Educação, uma equipe da Superintendência Regional de Ensino de Teófilo Otoni, que atende a região, "está acompanhando a situação dos jovens hospitalizados e prestando todo o apoio e auxílio à direção da escola, pais, professores, funcionários e comunidade escolar."

Uma outra preocupação do órgão é prestar apoio à comunidade e aos outros alunos da escola, "de maneira que o ambiente de tranquilidade e paz que a escola tanto necessita e merece seja reestabelecido".

Tiros

De acordo com a Polícia Militar, um aluno de 17 anos pulou o muro da escola por volta das 8h e seguiu em direção a uma turma do primeiro ano do ensino médio. O adolescente carregava uma garrucha calibre 38, um facão e uma pistola falsa. Ao perceber a tentativa do ataque, uma professora teria tentado impedir o aluno de entrar na sala. 

Mesmo do lado de fora, ele disparou em direção à sala de aula. As balas atravessaram a porta e atingiram dois estudantes, que ficaram feridos. 

Três pessoas foram conduzidas pela Polícia Civil para prestarem depoimento: o autor dos disparos, um amigo dele, que poderia ter ajudado a dar cobertura ao ataque, e seu padrasto, que teria fornecido a arma utilizada no ataque.