tragédia brumadinho

Minas Gerais Atingidos por barragem protestam contra fim de auxílio financeiro

Atingidos por barragem protestam contra fim de auxílio financeiro

Grupo fecha entrada principal de Brumadinho e (MG) e reivindica manutenção do pagamento, que deve terminar ainda em janeiro

  • Minas Gerais | Túlio Lopes, da Record TV Minas, e Célio Ribeiro*, do R7

Grupo se reúne na entrada principal de Brumadinho

Grupo se reúne na entrada principal de Brumadinho

Record TV Minas

Moradores de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, realizam um protesto contra a mineradora Vale na manhã desta sexta-feira (22). O protesto ocupa a estrada principal da cidade, impedindo o tráfego de veículos.

Segundo os manifestantes, o protesto é pelo fato de a empresa e o Governo de Minas não terem entrado em acordo em relação a indenização por danos econômicos e sociais causados pela empresa devido ao rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, em janeiro de 2019. A tragédia completa dois anos na próxima segunda-feira (25).

Veja: Auxílio por tragédia de Mariana (MG) é prorrogado até o fim de 2021

Além disso, os moradores protestam contra o fim do auxílio financeiro pago pela Vale aos atingidos pelo rompimento. O pagamento é feito desde fevereiro de 2019 e, após ser prorrogado várias vezes, será finalizado no dia 31 de janeiro.

Sem acordo

Na quinta-feira (21), o Governo de Minas se reuniu novamente com representantes da Vale, mas a audiência terminou sem acordo. Inicialmente, o Estado esperava receber cerca de R$ 54 bilhões de indenização mas decidiu abandonar a mesa de negociações após receber uma contraproposta de R$ 29 bilhões, valor considerado baixo pelo Governo. Agora, o processo corre risco de ser judicializado.

Outro lado

Em nota, a mineradora Vale afirmou que realiza, desde fevereiro de 2019, o pagamento do auxílio financeiro para mais de 100 mil famílias atingidas pelo rompimento da barragem e confirmou que a previsão é que o auxílio termine no dia 31 de janeiro, conforme acordado com o Governo de Minas. A empresa também alegou que presta assistência às famílias impactadas pela tragédia desde o dia do rompimento da barragem.

*Estagiário do R7 sob a supervisão de Flavia Martins y Miguel

Últimas